in

Caso Gkay: cirurgião plástico explica quando é hora de parar com os procedimentos estéticos

O número de intervenções estéticas da famosa levantou o questionamento se existe limite para a quantidade de cirurgias.

Instagram Gkay

Não é de hoje que a digital influencer Gkay está causando polêmicas entre os internautas. Sempre que faz alguma mudança no seu corpo, a famosa vai parar nos perfis de fofoca.

Publicidade

A artista já passou por vários procedimentos estéticos desde que ficou conhecida na internet; alguns chegam a dizer que ela exagerou.

Recentemente, uma montagem que mostra fotos antes e depois das cirurgias viralizou nas redes sociais, sendo a maioria dos comentários fazendo críticas à mudança radical na sua aparência.

Publicidade

Entre os diversos procedimentos que Gkay se submeteu, estão preenchimento nos lábios, botox no rosto, mudanças no nariz e nas bochechas, silicone nos seios, lipoaspiração e ainda lentes de contato nos dentes.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Cada pessoa é responsável por dizer o que pretende mudar no próprio corpo, mas o alto número de intervenções feitas pela humorista tem levantamento um questionamento: afinal, existe um limite para o número de procedimentos? Como saber qual é o momento de parar.

Publicidade

O especialista em cirurgias plásticas, Alexandre Mendonça declarou, em entrevista ao portal Metrópoles que tem alguns fatores que mostram quando chegou a hora de parar. Segundo ele, existem alguns pacientes com uma insatisfação crônica sobre o padrão de beleza e o tempo todo está procurando cirurgias para fazer alguma correção.

Para ele, esse desejo em excesso por transformações pode indicar problemas psicológicos, que precisa ser avaliado. Cabe ao médico avaliar se realmente a cirurgia é necessária naquele paciente. “Eu, cirurgião plástico, com um bom senso e uma boa formação identifico que o resultado estético está satisfatório, dentro de padrões anatômicos já estabelecidos. E que qualquer intervenção cirúrgica além das que já foram feitas pode não melhorar muito”, explicou o médico.

Publicidade