in

Mãe acreditava ser apenas um resfriado em sua bebê, mas era uma doença gravíssima; caso serve de alerta

No começo, a família acreditava que os sintomas tinham relação com um quadro de resfriado.

Reprodução/Needtoknow.online

A maioria das mães vive o mesmo drama quando colocam os filhos na escolinha. E com a pequena Mia não foi diferente. Foi só a pequena começar a frequentar a creche que começou a ter quadros frequentes de resfriado. Congestão nasal, febre, nariz escorrendo, todos os sintomas comuns da doença, mas não era e a família da menina não podia imaginar que o quadro não tinha nenhuma relação com o início da vida escolar.

Publicidade

No entanto, esses foram os primeiros sinais de alerta de que alguma coisa não estava bem no organismo da criança. Anjna Caulton, de 44 anos, mãe da menina, acreditava que a situação teria ligação com baixa imunidade. “Eu estava muito agoniada com essa história dos sintomas de resfriado e de como ela estava chorosa. Mas todos me garantiram que era porque ela recém havia começado a ir para o berçário. Mal imaginava que era de fato o sistema imunológico dela estava com sérios problemas“, desabafou a mulher durante uma entrevista concedida a mídia local.

A mãe começou a perceber outros sintais estranhos no corpo da garotinha. Surgiu um caroço no lado direito na região das costelas. No começo, ela imaginou que poderia ser picada de inseto. Porém, começaram a surgir hematomas nos braços e pernas. Já temendo por alguma coisa mais séria, os pais de Mia levaram a pequena ao médico.

Publicidade

Após a realização de exames, os médicos detectaram que o nível de plaquetas no sangue de Mia estava muito baixo. No total, foram duas semanas de investigação até fechar o diagnóstico correto. A criança estava com leucemia linfoblástica aguda, um tipo de tumor maligno que costuma surgir durante a infância. A mãe falou do quanto foi assustadora a descoberta.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

A garotinha precisou permanecer hospitalizada por nove meses para fazer o tratamento, que incluíam procedimentos cirúrgicos, transfusões sanguíneas, punções lombares e quimioterapia. Não foi um processo fácil para a família e felizmente ela conseguiu se recuperar.

Publicidade
Publicidade