in

Exames que devem ser realizados em cada fase da gravidez

Saiba quais são os exames que precisam ser realizados em cada fase da gravidez.

Pixabay free

Quando uma mulher está grávida ela precisa estar atenta à saúde. Para ajudar a controlar as doenças e descobrir se há algo de errado com o bebê, é importante que durante toda a gestação, sejam realizados exames que ajudarão a descobrir se existe alguma anomalia no feto. Desse modo, confira uma lista que contém todos os exames que uma mulher precisa fazer durante a gravidez.

Publicidade

Primeiro trimestre

A partir da 9ª semana de gestação é preciso realizar o exame NIPT (DNA Fetal no Sangue Materno). Esse exame tem a finalidade de rastrear a existência de alguma síndrome cromossômica no bebê.

Entre a 10ª e a 14ª semana o exame de fração livre do BHCG deve ser realizado. Esse exame pode ser realizado com o ultrassom morfológico e serve para detectar a síndrome de Down na criança. A taxa de detecção desse exame é de 96%.

Publicidade

Também entre a 10ª e 14ª o exame de PAPP-A E PLGF é realizado. Esse exame é específico para evitar que complicações como a pré-eclâmpsia aconteçam no parto. É de suma importância que o exame morfológico do primeiro trimestre seja realizado junto aos exames marcadores bioquímicos sanguíneos, pois o diagnóstico se torna mais específico.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Exames essenciais

Entre a 11ª e a 14ª semana é realizado o morfológico do primeiro trimestre. Nesse exame são rastreadas síndromes, sendo possível ver o corpinho do bebê. Também entre a 11ª e a 14ª semana é necessário realizar um exame de transvaginal para avaliar o colo uterino. Nesse exame é avaliado o risco de parto prematuro através da medida do colo do útero.

Publicidade

Ainda nesse período também pode ser solicitado o exame de Biópsia de vilo cordial, onde são retirados fragmentos da placenta a fim de realizar a avaliação genética do bebê. Esse exame é indicado caso haja alto risco de síndromes genéticas ou malformações na estrutura do bebê.

A partir da 16ª semana é realizado o exame de amniocentese que é a coleta do líquido amniótico com uma agulha, guiada por ultrassom, para avaliar possíveis infecções fetais.

Entre a 18ª e a 24ª semana é realizado o morfológico do segundo trimestre. Esse exame é específico para avaliar a formação do cérebro do bebê assim como o coração, o tórax, os órgãos abdominais, os membros, a genitália, a coluna, os pés e as mãos do feto.

Ainda nesse período é feito o doppler colorido das artérias uterinas. Esse exame rastreia as pacientes com risco de ter pré-eclâmpsia ou fetos que estão muito pequenos para a idade gestacional.

A partir da 20ª semana é recomendado o exame de ecocardiograma fetal que faz o diagnóstico precoce de malformações no coração do bebê, o que pode ser essencial para o planejamento do parto e acompanhamento do bebê por uma equipe especializada após o parto.

Entre a 26ª e a 30ª semana é possível realizar o ultrassom obstétrico 3D ou 4D, nesse exame é possível ver em três ou quatro dimensões o perfil da criança e conhecer o rostinho do bebê antes do nascimento.

A partir da 28ª semana são realizados os exames de perfil biofísico fetal que avalia a vitalidade do bebê e confirma seu bem-estar durante o teste e a cardiotocografia (CTG) que é um exame que verifica graficamente a frequência cardíaca do bebê, assim como as contrações uterinas.

Entre a 35ª e a 37ª o swab perianal e vaginal de estreptococos B é realizado. Esse exame é realizado para identificar a existência da bactéria que costuma estar presente em 30% das gestantes, geralmente, para a grávida a bactéria é inofensiva, mas no momento do Nascimento ela pode ser agressiva para o recém-nascido. Por isso, é muito importante a realização desse exame para que no momento do parto a equipe médica esteja preparada para receber o bebê.

Em qualquer fase da gravidez é importante que se faça a ultrassonografia obstétrica. Esse exame pode ser realizado algumas vezes durante a gravidez e tem o intuito de avaliar a evolução do bebê, detectar alterações no desenvolvimento, como a macrossomia fetal e a restrição de crescimento, além de registrar as modificações no líquido amniótico.

Publicidade

Escrito por Tati Jesus

Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.