in

Por que a criação de uma Liga de Clubes seria benéfica para o Brasil?

Dez times anunciaram o desejo de mudanças no torneio por meio da criação de uma Liga de Futebol no Brasil.

Bence Balla-Schottner

Já faz quase um ano que o futebol brasileiro enfrenta um dilema sobre o andamento do Campeonato Brasileiro. Afinal, dez times anunciaram o desejo de mudanças no torneio por meio da criação de uma Liga de Futebol no Brasil.

Publicidade

Com isso, a Confederação Brasileira de Futebol deixar de ser a organizadora do Brasileirão. Então, o torneio passaria a ser organizado pela Liga de Clubes, com o apoio declarado pelo atual presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

As consequências mudariam até os rumos e a forma como as pessoas conheceriam a estrutura do campeonato atualmente. Aliás, é possível até que as plataformas de apostas que oferecem benefícios e promoções aos jogadores, como por exemplo, o codigo bonus bet365, tivessem que se adaptar às mudanças.

Publicidade

Sem dúvidas as plataformas teriam com destaque esse novo torneio, afinal ele será disputado pelos principais clubes do Brasil e teria um potencial de crescimento enorme.

Publicidade

A fim de criar uma liga que represente comercialmente os times brasileiros, esperam-se mudanças, inclusive na publicidade do torneio. Além disso, o objetivo central da criação desta Liga de Clubes é estimular o desenvolvimento econômico do Campeonato Brasileiro.

Publicidade

Aliás, a LaLiga Espanhola foi uma das ligas estrangeiras que se colocou à disposição para ajudar os dirigentes brasileiros na criação da liga no Brasil. Mas até o momento, a reunião com o presidente da liga espanhola, Javier Tebas, não teve nenhuma consequência prática.

Por quais motivos é viável criar uma Liga de Clubes no Brasil?

Como dissemos anteriormente, tirar da CBF a centralização e organização das Séries A e B do Campeonato Brasileiro é um dos motivos. O estopim da decisão? A crise enfrentada pela Confederação Brasileira de Futebol em 2021, depois da queda de Rogério Caboclo e a suspensão por assédio sexual e moral.

Também não podemos deixar de lado o desejo pela mudança na forma como é conduzida as eleições na entidade. Com isso, também esperam ter maior poder dos clubes no que diz respeito às decisões da CBF. Assim, os clubes se tornariam filiados da entidade.

Com isso, diretrizes como direitos de transmissão e a divisão de receita entre os times, além de patrocínios, estariam nas mãos da liga. Portanto, os clubes teriam autonomia que atualmente não têm com a estrutura que a CBF oferece.

O que se espera também é a melhor organização do calendário de jogos, que muitas vezes prejudica os times maiores. Afinal, é comum que eles participem de diversos torneios e competições ao mesmo tempo, impactando diretamente o desempenho dos clubes e seus ganhos.

Em coletiva de imprensa, o atual presidente, Ednaldo Rodrigues, mostrou-se favorável à criação da liga. Desde que o calendário das competições não entre em choque com os eventos da CBF, FIFA e Conmebol, ele apoia a criação da liga.

Entenda o entrave na criação da Liga de Clubes

Ainda que os clubes enxerguem a necessidade do desenvolvimento de uma liga, não há consenso entre alguns deles. Por isso, houve um “racha” que dividiu as equipes em dois, a ponto de cogitarem a criação de duas ligas diferentes.

O principal motivo para isso é a questão da divisão de receita na exploração da publicidade por meio de agências. Enquanto há clubes que fazem questão da divisão de maneira igualitária, há quem não aprove essa isonomia.

Flamengo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos e Red Bull Bragantino são contrários à distribuição igualitária da receita.

Aliás, na Premier League, a liga inglesa de futebol, todos os times recebem de forma igual, independentemente do tamanho. Então, este é o modelo que alguns clubes esperam para a liga brasileira.

Outro problema que impede a criação da liga diz respeito ao calendário maciço de jogos e como ele será distribuído. Afinal, além do Campeonato Brasileiro, os clubes brasileiros participam de diversos torneios promovidos pela CBF, Conmebol e FIFA.

Consequentemente, a falta de união entre os clubes impede que a criação da liga saia do papel e se torne realidade. Afinal, ainda que existam potenciais investidores no projeto, nada é formalizado por conta deste impasse.

Publicidade