in

Sarampo: sintomas, transmissão e importância da vacina da doença que pode levar ao óbito e não tem tratamento

Sarampo volta a preocupar autoridades sanitárias do Brasil por conta da baixa cobertura vacinal.

RomoloTavani/iStock/Secretaria de Saúde/Divulgação

Sarampo é uma doença com alto poder de contágio, está com baixa cobertura vacinal e um aumento de casos no país em 2022. O fato tem preocupado as autoridades de saúde. A patologia tinha sido considerada erradicada do país em 2016, porém, perdeu esse certificado após um novo surto em 2019.

Publicidade

A vacina é gratuita e está disponível para todas as pessoas nos postos de saúde. Apesar de ser fácil de encontrar e de não ter qualquer custo ao paciente, a cobertura vacinal da primeira dose foi de 71% em 2021 e de apenas 50% da segunda dose. A estimativa é que deveria ter 95% de cobertura do público infantil. Em maio haverá uma campanha nacional para a imunização de crianças de seis meses a menores de cinco anos.

Sintomas do Sarampo

A doença é altamente contagiosa e tem como sintomas mais comuns manchas brancas na parte interna das bochechas e na cor vermelha sobre a pele. Esses sinais aparecem primeiramente no rosto e depois nos pés.

Publicidade

Outros sintomas, da doença que atinge vias aéreas e até infecção no encéfalo, são: tosse persistente, corrimento no nariz, irritação nos olhos, febre, pneumonia, conjuntivite, convulsões, infecção nos ouvidos, diarreia e perda de apetite. O limite é lesão cerebral e óbito.

Publicidade

Transmissão de Sarampo

Qualquer pessoa pode pegar sarampo. Segundo o Ministério da Saúde, a patologia tem distribuição universal. A transmissão pode acontecer por tosse, espirro, respiração ou fala.

Publicidade

Importância da vacina contra Sarampo

A doença é altamente contagiosa e a única forma de prevenção é pela vacina. Sendo assim, é fundamental que seja administrada as duas doses do imunizante. O Sarampo não tem tratamento específico, segundo o Ministério da Saúde, somente é recomendada a administração de vitamina A para reduzir casos fatais. Em casos menos graves é preciso manter a hidratação, boa alimentação e controle da febre.

Publicidade

Escrito por Nado C.

Sou formado em Sistemas de Informação com pós-graduação em Gerenciamento de Projetos em T.I. Além de atuar como programador há 10 anos, trabalho também como redator há cerca de 4 anos, o que fez despertar uma nova paixão e hoje também sou graduado em Letras - Português e Inglês. Escrevo sobre tudo o que envolve o mundo do entretenimento, além de falar sobre esportes e as principais notícias do dia a dia. Pode entrar em contato comigo através do e-mail nado_news@hotmail.com .