in

Menina que passou 13 anos com o pescoço dobrado, passa por cirurgia e volta a sorrir novamente

Afsheen Gul passou por uma cirurgia delicada, mas pode enfim, endireitar o seu pescoço.

REPRODUÇÃO/GLAMOUR/INSTAGRAM

A adolescente Afsheen Gul nasceu com paralisia cerebral e com uma condição rara que dobrou o seu pescoço deixando a sua cabeça em um ângulo de 90 graus. Essa condição fazia com que a menina sofresse com dores constantes.

Publicidade

O caso de Afsheen Gul foi diagnosticado pelos médicos como uma luxação rotatória atlanto-axial, que em resumo é uma instabilidade rotatória de sua coluna cervical.

Os pais da garota passaram anos e anos buscando algum tipo de tratamento para ela, mas à falta de recursos financeiros acabou fazendo com que eles não tivessem êxito. As coisas começaram a mudar após eles conseguirem arrecadar R$ 172 mil em uma vaquinha online.

Publicidade

Esses recursos ajudaram a família de Afsheen Gul a procurarem a ajuda do Dr. Krishnan, cirurgião que ficou famoso através do documentário “The Boy Who Sees Upside Down”, em que ele opera o garoto Mahendra Ahirwar, que tinha um caso ainda mais grave que o de Afsheen Gul, pois tinha o pescoço virado a um ângulo de 180º.

Publicidade

Dr. Krishnan contou que tinha certeza de que poderia dar uma melhor qualidade de vida para a garota, no entanto, a equipe do hospital dava para Afsheen Gul apenas 50% de chances de sobreviver a cirurgia.

Publicidade

Mesmo assim, o cirurgião aceitou o desafio e se predispôs a operar a garota gratuitamente. Foram necessários quatro meses de preparação e a cirurgia foi feita em seis horas, começando pela boca da garota e removendo discos de seu pescoço. Com hastes e parafusos, o cirurgião fixou o crânio da adolescente em sua coluna cervical.

Após a cirurgia, Afshan finalmente conseguiu endireitar o seu pescoço e postou uma foto do resultado em que ela está sorrindo.

Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com