in

Garotinho de 2 anos gasta mais de R$ 10 mil em compras de móveis ao usar celular da mãe

A criança acabou fazendo a compra enquanto usava o celular da mãe para brincar.

Reprodução G1

Hoje em dia a maioria das pessoas tem tudo conectado no celular. Redes sociais, e-mails e aplicativos de banco são algumas das facilidades que a internet tem disponível para facilitar a vida das pessoas. Inclusive, com os cartões de créditos que costuma ficar logados nesses aplicativos.

Publicidade

Também é comum que os pais acabem deixando as crianças brincar com o telefone celular. Foi justamente esse gesto inocente que acabou em uma compra inesperada. A mãe permitiu que o filho de apenas dois anos brincasse com o smartphone, mas o menino acabou fazendo uma compra no valor de quase 2 mil dólares (aproximadamente 10 mil reais).

O pequeno Madhu Kuma gastou a quantia comprando móveis. Ele adicionou diversos itens no carrinho virtual no site do estabelecimento. Os pais somente descobriram a arte feita pelo menino quando começaram a chegar várias caixas na residência da família que mora em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Entre os itens da comprinha estão suporte de plantas e até poltronas.

Publicidade

A peraltice da criança ganhou repercussão e virou manchete na mídia. Durante uma entrevista concedida a uma emissora local, os pais disseram que tem pretensão de ficar com alguns dos objetos. Porém, eles ressaltaram que vão tentar fazer a devolução de alguns itens, mas ressaltou que vai solicitar o reembolso de outros.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Esse tipo de situação também já aconteceu no Brasil e foi divulgado na ocasião pelo portal de notícias G1, que chegou a mostrar os gastos realizados pela criança através de um aplicativo. O app tinha as informações bancárias salvas. Aliás, isso acaba sendo algo comum entre a maioria das pessoas que deixa os dados salvos para poder facilitar quando for necessário usar.

Publicidade

Vale ressaltar que já teve casos de crianças que fizeram compras e os pais tiveram que tentar fazer a devolução através do Procon.

Publicidade