in

Luta contra o tempo: pai precisou perder 18 quilos para salvar o filho mais novo após doença

Ele precisava emagrecer o máximo que pudesse no tempo determinado se quisesse salvar seu bebê.

facebook.com/sean.kelley.9400

Disseram a um pai que seu filho de apenas um ano não chegaria aos dois, pois ele precisava de um transplante de fígado devido a uma grave enfermidade. O pai então começou uma corrida contra o tempo para perder peso o suficiente e se tornar qualificável para ser um doador em apenas 4 meses.

Publicidade

Sean, pai de sete filhos, encontrou seu propósito de vida quando viu um deles à beira da morte em um hospital. Os médicos disseram que o menino precisaria de um transplante o quanto antes para que sua vida fosse salva.

O homem e sua esposa, Josie Kelley, moravam em West Almond, Nova York, Estados Unidos, com seus filhos. A mulher e três de dos herdeiros sofriam de uma doença genética chamada síndrome de Alagille, enfermidade hereditária que afeta diversas partes do corpo, especialmente coração e fígado, de acordo com o National Institutes of Health.

Publicidade

Publicidade

A família já tinha passado por isso antes, com seu filho Tristan, que precisou passar por uma cirurgia no coração aos três anos de idade, e também com sua filha Meara, que sentia coceiras na pele por causa da doença.

Publicidade

Dessa vez, o bebê da família precisava passar por um transplante de fígado imediatamente. Mesmo o nome do pequeno Sawyer estando na lista do hospital, dificilmente o menino encontraria um doador a tempo de salvar sua vida.

Então seu pai decidiu fazer algo bastante difícil: tentar perder 18 quilos em apenas quatro meses para se tornar 100% compatível para ser doador. Com determinação e apoio da família, o homem conseguiu o objetivo.

O grande dia do transplante chegou, e finalmente, a cirurgia ocorreu em agosto de 2019. Uma parte do fígado de Sean ajudou a salvar da vida do bebê, para a felicidade de toda a família, que aguardava ansiosamente o resultado.

Após o fim do procedimento, Dr. Mazariegos, chefe de transplante pediátrico da UPMC, disse que foi complicado, mas que os dois estavam fora de perigo. Ainda se recuperando, o pai herói foi elogiado por sua coragem para salvar o seu filho.

Publicidade