in

Pré-eclâmpsia: conheça sintomas, tratamento e os riscos da doença que quase tirou a vida da atriz Nanda Costa

A atriz Nanda Costa fez um relato comovente sobre a luta pela vida após diagnóstico da doença.

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM/Diario da biologia

A atriz Nanda Costa revelou recentemente que travou uma luta pela vida após ser diagnosticada com pré-eclâmpsia. A artista que é conhecida por vários personagens que marcaram a televisão brasileira contou que foi para na UTI – Unidade de Terapia Intensiva. Ela também relatou que os rins começaram a parar e por esse motivo foi necessário um parto de emergência.

Publicidade

O que é pré-eclâmpsia?

É uma complicação grave da gestação que pode acontece por causa de problemas que surgem no desenvolvimento dos vasos da placenta que provoca alterações na capacidade de coagulação sanguínea e reduz a circulação do sangue. O problema pode se manifestar durante o período gestacional, especialmente após a 20ª semana, mas também pode surgir no parto ou pós-parto.

Algumas condições podem favorecer o risco do desenvolvimento da doença. Entre eles estão: mulher com mais de 35 anos ou menos de 17, primeira gestação, obesidade, diabetes, hipertensão, doença renal, gravidez gemelar ou pré-eclâmpsia em uma gravidez anterior.

Publicidade

Sintomas da pré-eclâmpsia

Os sintomas podem variar de acordo com o grau de gravidade da enfermidade. Na pré-eclâmpsia leve a paciente pode apresentar pressão igual a 140 x 90 mmHg, edema e ganho de peso de forma repentina, presença da proteína na urina.

Publicidade

Já em casos mais graves, além dos sintomas citados anteriormente, a grávida pode ficar com a pressão superior a 160 x 110 mmHg, dor de cabeça intensa e constante, dor abdominal do lado direito, visão escurecida ou embaçada, sensação de ardor do estômago e redução na vontade de urinar ou na quantidade da urina. Caso a grávida apresente algum desses sintomas, é necessário buscar ajuda médica imediatamente.

Publicidade

Tratamento

O tratamento tem o objetivo de garantir a segurança da mãe e do bebê. No caso da forma mais leve da doença, o obstetra geralmente orienta uma dieta pobre em sal e aumento da quantidade de água ingerida ao dia. Também é importante manter o repouso e procurar deitar virada para o lado esquerdo, pois melhora o fluxo sanguíneo para útero e rins. O controle da pressão arterial precisa ser criterioso para evira uma piora na condição.

Já na pré-eclâmpsia grave, o tratamento na maioria dos casos é feito no hospital com a internação da gestante. Dependendo da idade gestacional, o obstetra pode recomendar que o parto seja antecipado.

Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.