in

Jovem descobre que pinta fofa em formato de coração era, na verdade, um câncer altamente agressivo

A americana falou sobre o diagnóstico da doença e dividiu a história como um alerta.

Divulgação: Extra

As sardas são consideradas um charme, especialmente nos dias atuais. Elas estão em alta e tem mulheres que costumam fazer as próprias pintinhas com ajuda da make. No entanto, uma mulher que tinha um xodó pela sarda em seu rosto e achava ela superfofa, fez uma descoberta terrível.

Publicidade

Na verdade, a sarda que a jovem considerava superfofa era um câncer de pele bem agressivo. A jovem Kayla Mailer tinha a pinta em um formato peculiar desde a idade de 12 anos. Com o passar do tempo, o desenho foi ficando cada vez mais nítido e tomando forma de um coraçãozinho. Ela recebia muito elogios por causa da sarda.

Kayla Mailer estava com 27 anos quando a marquinha no seu rosto foi perdendo o formato característico e começou a ficar mais escura. Foi então que a moradora da cidade de Portland, que fica em Oregon, nos Estados Unidos, resolveu buscar ajuda profissional e se consultou com um médico. A pinta foi retirada e a amostra da pele encaminhada para a realização de uma biópsia.

Publicidade

Três dias após a realização do exame, a jovem recebeu a dura notícia de que a sarda era, na verdade, uma forma agressiva de melanoma, um câncer de pele grave. A americana foi submetida a um procedimento cirúrgico que acabou cortando a sua pele camada por camada. Por causa da cirurgia, a secretária ficou com um buraco no rosto.

Publicidade

Publicidade

Depois que os especialistas que acompanhavam o caso de Kayla detectaram que não havia mais sinal de câncer, ela passou por uma cirurgia plástica para fechar a ferida que estava aberta em seu rosto. Atualmente, aos 32 anos de idade, a americana resolveu dividir a história para alertar outras pessoas sobre os cuidados necessários com a pele a importância de se proteger do sol.

Ela ainda desabafou e disse que poderia ter perdido a vida aos 28 anos. Kayla ainda ressaltou que não era muito de se bronzear antes de receber o diagnóstico, mas quando era criança tinha o costume de correr pelo Alabama e no geral não fazia uso do protetor solar corretamente.

Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.