in

Sex shop dedicado a evangélicos faz sucesso e sofre com preconceito: ‘crente do rabo quente’

Dona de estabelecimento voltado para um público mais reservado coleciona histórias de bastidores de vendas.

Fiel Editora / Divulgação

Um sex shop está fazendo sucesso entre um público muito especial: os evangélicos. Em uma notícia publicada no site G1 neste dia 1º de novembro, foram revelados detalhes de como é o local e a rotina de vendas de produtos para os clientes mais reservados do mercado de cosméticos, fantasias e brinquedos adultos. A dona, que conta como ela faz para garantir a venda sem constranger os clientes e diz que sofre com preconceito por pessoas que não entendem como funciona seu negócio.

Publicidade

Na notícia, a empresária Carolina Marques, de 26 anos relata os motivos que a levaram a fundar um sex shop para o público que segue a religião evangélica. Na época, ela já tinha um filho de outro relacionamento. Com um novo amor, casou-se e decidiu se converter para a Assembleia de Deus. A relação era tão séria que a moça esperou o casamento para concretizar os laços matrimoniais e ter relações com o atual marido. A vontade de não deixar ser pega pela monotonia na cama a fez pensar em como proporcionar a mesma experiência para outras mulheres como ela.

Dona de sex shop conta intimidades sobre área de negócios para evangélicos

No sex shop  Carolina aposta na quebra do tabu, mas respeita a escolha das clientes de não evidenciarem sua escolha pela compra de produtos adultos explicitamente. Para ela, a busca por produtos desse nicho não pode ser vista como algo “sujo” ou errado. Contudo, ela revela que precisa adequar o seu trabalho.

Publicidade

“Não tem como vender produtos chamados ppk louca ou vai fundo. Isso assusta”, disse Carolina. 

Publicidade

Já Andrea dos Anjos, de 43 anos, diz que frequenta igrejas evangélicas e divulga sua marca entre esse público. Ela prefere oferecer consultoria informalmente, deixando sua clientela à vontade. A maioria das vendas ocorre pela internet. 

Publicidade

A lojista contou que mulheres são 95% do seu público e que a idade varia bastante. Apesar do empenho em ajudar outras evangélicas, ela sofreu com preconceito. “Me chamavam de crente do rabo quente”, desabafou a vendedora.

Evangélicos foram ouvidos pelo site G1, que preferiram não se identificar. Segundo o site, muitos afirmam que a introdução de produtos adultos fez diferença em suas vidas e relações.

Publicidade

Escrito por Tadeu Goulart

Assuntos chocantes, novidades da televisão, famosos e política: tudo você encontra aqui.