in

Criança de 3 anos ajuda mãe com câncer a raspar o cabelo e ensaio fotográfico registra o momento

A bombeira militar Alessandra foi diagnosticada com câncer de mama em agosto desse ano.

Divulgação/Alessandra + G1

Alessandra Riad Iskandar Plaza, de apenas 37 anos, foi diagnostica com um câncer de mama em agosto deste ano, após fazer um autoexame. A bombeira militar descobriu a doença muito precocemente, já que realiza seus exames periodicamente e faz o procedimento de toque com frequência.

Publicidade

Ela decidiu fazer um ensaio para registrar o momento que fosse raspar seu cabelo e entrou em contato com uma amiga fotógrafa para combinar os detalhes. Alessandra revelou que a amiga Lorena lhe deu forças no momento tão difícil, dizendo que utilizaria as fotos para levar inspiração até outras mulheres que estivessem na mesma situação.

Dia do ensaio fotográfico

Para o grande dia, Alessandra decidiu ter um dia ‘diferente’ para realizar todo o processo de raspar o cabelo e recebeu a companhia do esposo Sérgio Marcondes Lourenço Plaza, além da filha Valentina Iskandar que possui apenas 3 anos. A família foi junta para o salão de beleza da tia de Alessandra, que fez toda a maquiagem da jovem antes do momento.

Publicidade

Publicidade

Ao decidir iniciar o processo de raspagem do cabelo, a pequena Valentina resolveu ajudar a mãe neste momento tão difícil e participou de todo o processo. O vídeo mostra a criança colocando a mão na orelha da mãe para protegê-la durante a raspagem do cabelo.

Publicidade

Alessandra contou que conseguiu se manter firme graças ao carinho e cuidado da filha, protegendo sua orelha durante o corte. Ela também ressaltou que a decisão de participar foi tomada por Valentina e ninguém pediu para ela fazer aquilo. 

A pequena se divertiu durante o processo e sua primeira reação após ver a mãe careca foi de também cortar o cabelo. No entanto, Alessandra conseguiu contornar a ideia da filha e disse para ela que princesas não podem cortar o cabelo.

Decisão de raspar o cabelo

Alessandra informou ao G1 que a decisão de raspar o cabelo pegou até os médicos de surpresa, já que eles orientavam esperar cair naturalmente. Porém, a bombeira afirmou que foi muito difícil aceitar que ficaria careca e o sofrimento seria maior a cada lavada de cabelo, vendo cada fio cair aos poucos.

Ela também ressaltou sua opinião sobre a atitude e declarou que isso não mudaria o que ela se tornou, ficando ainda mais forte para o tratamento. A bombeira ganhou o apoio de familiares e colegas de trabalho após ficar careca, revelando que seu marido, seu pai, seus tios e uma amiga do quartel também cortaram seus cabelos.

Publicidade