in

Lábio leporino: atitudes na gravidez que podem causar o problema

Algumas atitudes durante a gestação podem aumentar a chances de um bebê ter lábio leporino.

Reprodução Centro suma

O lábio leporino ou fenda palatina é uma condição que acomete um a cada 700 bebês que nascem no Brasil. Essa deformidade facial acontece quando durante o processo de formação da face do nascituro dentro do ventre existe alguma anormalidade que impede que esse processo se complete, resultando na abertura do lábio ou até mesmo o não aparecimento do céu da boca do bebê.

Publicidade

O que é o lábio leporino

O processo de formação da face acontece  entre 4 e 7 semanas de gestação, é nesse período que essa condição surge no bebê e é possível descobrir o problema com o bebê ainda no ventre, com uma simples ultrassonografia de rotina. 

Mas, muitas pessoas se perguntam o que pode causar o lábio leporino. Apesar de ser um problema que tende a ser genético, algumas atitudes durante a gravidez podem aumentar as chances do feto desenvolver a anomalia.

Publicidade

O que pode causar o problema

Mães que possuam o problema ou que tenham parentes próximos que também nasceram com a fenda labial possuem mais chances de gerar filhos com a fenda. Mas, outros fatores também influenciam. Por exemplo, fumar e consumir bebidas alcoólicas durante a gravidez aumentam os riscos para o bebê. 

Publicidade

Além disso, quando a mãe possui diabetes antes da gravidez ou tem obesidade, as chances do bebê desenvolver o problema aumenta consideravelmente. O uso de medicamentos para o tratamento de epilepsia e enxaqueca (topamax e valproic), além do consumo de tabletes de esteroides, também ocasionam esse problema.

Publicidade

Uma medida importante para diminuir o risco é o consumo correto de ácido fólico antes da gravidez e durante as primeiras semanas de gestação. Isso auxilia no desenvolvimento do bebê e diminui os riscos.

Porém, se seu bebê nasceu com o problema, não se desespere. O tratamento é feito com cirurgia e é necessário que haja um acompanhamento do bebê nos primeiros anos de vida, para que a fala e autoestima sejam tratados para garantir o bem-estar e a qualidade de vida da criança.

Publicidade

Escrito por Tatiane Braz

Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.