in

Esposa de Bruno desabafa após goleiro ser detonado na web por foto polêmica: ‘não é garoto propaganda’

Goleiro conseguiu liberação no início deste ano para cumprir regime semiaberto no Rio de Janeiro.

Divulgação - Boa Esporte

O goleiro Bruno voltou a ser destaque nos noticiários nesta semana. Condenado pelo assassinato da modelo Eliza Samudio, que completou 10 anos neste mês de junho, o jogador postou fotos onde aparece em um canil no Rio de Janeiro.

Publicidade

As imagens resultaram em uma forte repercussão de críticas ao ex-jogador do Flamengo, uma vez que na época o crime, testemunhas e o próprio jogador informaram que o corpo da vítima teria sido esquartejado e dados aos cachorros. O paradeiro de Eliza, no entanto, nunca foi descoberto pela polícia.

Entre os comentários na foto publicada por Bruno Fernandes, muitos internautas apontaram que o goleiro estava sendo pago para fazer propaganda para o canil. A situação não agradou a atual esposa do jogador, Ingrid Calheiros, que utilizou as redes sociais na última quinta (25), para defender o esposo.

Publicidade

“O Bruno não é garoto propaganda de nenhum canil. Ele nem iria nesse canil ontem, tanto é que ele está com roupa de treino. Esse canil é de amigos meus. Eu fui buscar o Bruno no treino e ele foi junto comigo, o que eu acho que não tenha nada de errado. Mas as pessoas gostam de polemizar coisas que elas nem sabem”, desabafou Ingrid.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

View this post on Instagram

Parte 1

A post shared by Ingrid Calheiros (@ingrid.calheiross) on

Publicidade

Tentativas frustradas

Liberado para cumprir o regime semiaberto há cerca de um ano, o goleiro Bruno desde então tenta retornar para os gramados.

No entanto, o ex-jogador do Flamengo que chegou a ser cotado em algumas equipes de menor expressão, sempre esbarra em protestes de torcedores e moradores da cidade do time em questão. Em março, o goleiro conseguiu uma autorização da Justiça de Minas para poder cumprir o regime semiaberto no Rio de Janeiro. 

Publicidade