in

Caso Miguel: porteiro do prédio presta depoimento e faz revelações

O profissional estava em serviço quando o menino caiu do 9º do local e faleceu.

R7

O ex-síndico e atual porteiro do prédio de luxo Pier Maurício de Nassau, onde o acidente envolvendo o menino Miguel aconteceu, prestou seu primeiro depoimento para a polícia do Recife, na última quarta-feira (10/06).

Publicidade

Carlos Lopes foi uma das pessoas convocadas pelo delegado para responder algumas perguntas sobre o caso a respeito da morte de Miguel Otávio Santana da Silva, que tinha apenas cinco anos de idade e foi morto depois de cair do 9º andar do edifício.

De acordo com o porteiro, que estava de serviço no dia em que a tragédia aconteceu, o prédio não apresentava problemas em relação à proteção. Segundo Carlos, tudo estava posicionado conforme as regras de segurança.

Publicidade

 “A casa de máquinas, o acesso, as esquadrilhas, tudo [estava] de acordo com as normas. Não existe obrigatoriedade de tela de proteção. A legislação existe para 1,10m e 1,20m. Lá está com 1,25m. A alvenaria seria com 1,10m e está com 1,15m. Está acima do que a legislação obriga“, disse o porteiro.

Publicidade

A morte de Miguel

No último dia 02, Miguel foi deixado pela mãe sob os cuidados de Sarí Corte Real, sua empregadora, enquanto esta levava o cachorro da família para passear. Nesse período, o garoto entrou em um elevador em busca da mãe.

Publicidade

Pouco tempo depois, Sarí aparece e tenta impedir, por alguns momentos, que Miguel suba pelo elevador. Após a tentativa frustrada, a primeira-dama de Tamandaré permite que a criança saia sozinha e ainda aperta os botões. Alguns instantes depois, Miguel cai do 9º andar do edifício, de uma altura de aproximadamente 35 metros.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral.