in

Mandetta afirma que cloroquina pode causar infarto e arritmia no coração

O ex-ministro da saúde, retirado do cargo recentemente, deu entrevista sobre o assunto.

IG

Com o surto do novo coronavírus, muitos países têm tentado, a qualquer custo, descobrir a cura para a doença, que já acometeu mais de 3 milhões de pessoas em todo o mundo e um número superior a 200 mil só no Brasil, levando milhares de indivíduos à morte, afetando o sistema respiratório do indivíduo.

Publicidade

Após algumas pesquisas, países como Brasil e Estados Unidos mostraram-se interessados no uso da cloroquina para o combate à Covid-19, mesmo que os estudos relacionados ao medicamento não tenham se mostrado completamente eficazes.

O presidente Jair Bolsonaro deixou claro, em algumas entrevistas, que apoia a utilização da substância e afirmou ter comprado grande quantidade de lotes para usar em pacientes acometidos pelo novo coronavírus.

Publicidade

Na última sexta-feira (15/05), o ex-ministro da saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido do cargo há poucas semanas, concedeu uma entrevista coletiva a alguns jornalistas e falou a respeito da utilização da cloroquina, dando seu parecer sobre os riscos do uso.

Publicidade

Segundo o médico, o medicamento é capaz de antecipar um infarto e também provocar arritmias cardíacas: “Quando se dá cloroquina para uma pessoa de 70 ou 80 anos, essa pessoa pode morrer, pois ela acelera o coração”, revelou.

Publicidade

Mandetta ainda falou a respeito de um novo remédio que pode ser a cura para o coronavírus. O medicamento foi anunciado no fim desta semana e se mostrou 94% eficaz no combate à Covid-19. Até o momento, o nome da substância não foi divulgada, mas deve passar por testes em breve, tendo 500 voluntários.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral.