in

Teste em humanos com vacina para coronavírus é anunciado e a cura para a doença pode estar próxima

A informação foi dada em primeira mão em uma entrevista ao programa “Today”, da Rádio 4 da BBC.

UFJF

A cura para o novo coronavírus é uma das notícias positivas que o mundo inteiro aguarda com muita ansiedade. E a boa notícia é que ela pode estar mais próxima de acontecer do que se imagina.

Publicidade

Foi divulgado hoje para o mundo inteiro pelo professor de medicina Sir John Bell, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, que centenas de pessoas receberam uma vacina que poderá ser capaz de combater o novo coronavírus, a Covid-19. Agora, todos aguardam ansiosos o resultado do teste, que poderá estar disponível agora em junho.

A informação foi dada em primeira mão em uma entrevista ao programa “Today”, da Rádio 4 da BBC. Apesar da boa notícia, o médico apontou que o maior desafio de todos, caso o teste seja positivo, será a de produção em grande escala.

Publicidade

“Também queremos garantir que o resto do mundo esteja pronto para fazer esta vacina em larga escala para chegar às populações dos países em desenvolvimento, por exemplo, onde a necessidade é muito grande”, disse.

Publicidade

Em junho, uma equipe do Imperial College também deve começar a testar uma nova vacina em humanos. A vacina de Oxford tem como objetivo o estímulo do sistema imunológico. Já a do Imperial College age de forma diferente. Ela usará gotículas de líquido que transportará o material genético necessário direto para a corrente sanguínea.

Publicidade

Mas enquanto o resultado do primeiro teste não sai, o mundo inteiro precisa continuar se protegendo. Evite sair de casa, mas se for preciso, já que muitos necessitam ir trabalhar, faça uso de máscara, luvas e higienize as mãos sempre que puder com água e sabão. Todo cuidado é pouco. Não se trata apenas de uma “gripezinha”.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Anna Müller

Bastante ativa nas redes sociais, escrevo conteúdo sobre os mais diversos assuntos para a plataforma i7 Network.