in

Anvisa não recomenda o uso de máscaras em crianças com menos de 2 anos por esse motivo

A instituição orientou sobre o uso das máscaras de proteção em crianças e também em adultos.

Divulgação/Entremaesefilhos

O novo coronavírus tem assolado o mundo inteiro deixado milhares de vítimas. Infelizmente, muitos sistemas de saúde não suportaram quantidade de atendimentos e entraram em colapso. Esse foi o caso da Itália, que passou por uma situação muito difícil sofrendo com a morte de várias pessoas. 

Publicidade

Uma das medidas adotadas para tentar amenizar o contágio do novo coronavírus é o isolamento social. Além disso, outras orientações ajudam a evitar a contaminação e o uso das máscaras de proteção é uma delas. Contudo, a Anvisa fez um alerta sobre o uso em crianças que tem idades abaixo de dois anos.

A Academia Americana de Pediatria já havia emitido a mesma orientação que a Anvisa também fez questão de ressaltar. O alerta para a população explica o motivo das crianças que tem menos de dois anos não ter o uso da máscara de proteção recomendada. De acordo com a instituição os pequenos tem risco de sufocar com o uso do acessório.

Publicidade

Isto ocorre porque os bebês possuem as vias aéreas muito pequenas. Além disso, também existe risco de estrangulamento nos pequenos. A Anvisa também divulgou as orientações sobre o uso das máscaras em adultos e nas crianças maiores de dois anos. A instituição frisou que o uso do acessório deve ser usado em locais públicos, como farmácias, transporte público e supermercados.

Publicidade

Outra orientação da Anvisa foi sobre a questão de higienização das máscaras. Para fazer a limpeza é importante lavar bem usando água e sabão ou a higienização pode ser feita com o uso de álcool 70%. Vale ressaltar que mesmo usando a máscara de proteção é necessário manter a distância das outras pessoas, principalmente em ambientes públicos.

Publicidade

A Anvisa também frisou que o uso de máscaras profissionais, como as cirúrgicas e a tipo N95 ou alguma que seja equivalente as citadas. O uso desse tipo deve ser voltado para os profissionais da área da saúde, pacientes com coronavírus ou outros profissionais que estejam lidando na linha de frente em contato prolongado e próximo e perto de possíveis fontes de contágio da doença.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.