Heloísa Périssé revela drama com o coronavírus após câncer: ‘Em monitoramento’

Por conta dos tratamentos recentes contra o câncer, os médicos estão monitorando a evolução de seu quadro clínico.

PUBLICIDADE

A atriz Heloísa Périssé venceu há pouco tempo uma árdua batalha travada contra o câncer. A enfermidade lhe atingiu a região das glândulas salivares, e o tratamento foi um sucesso.

PUBLICIDADE

No total, a global precisou ser submetida a cinco sessões de quimioterapia e outras 33 de radioterapia. Nestes tempos de pandemia por conta do novo coronavírus, Périssé precisa se preocupar ainda com a fase de monitoramento pós-tratamento oncológico. “Agora estou num período de monitoramento“, contou para O Globo.

Os últimos exames, realizados em outubro do ano passado, mostram que as taxas de glóbulos brancos ainda não atingiram os valores mínimos, conforme declarou em entrevista concedida para a jornalista Patrícia Kout. Vale lembrar que os tratamentos oncológicos são bastante agressivos para o paciente, e a famosa sentiu na pele os seus efeitos debilitantes.

Ela caracteriza a batalha contra o câncer como uma “guerra nuclear”, e após passar por cima de todas as adversidades, está em monitoramento. De acordo com o médico, Heloísa Périssé não faz mais parte do grupo considerado de risco para a Covid-19.

PUBLICIDADE

A famosa conta que está passando por um verdadeiro drama pessoal, diante do temor provocado pela pandemia. Para superar este momento tão doloroso do ponto de vista psicológico, uma das estratégias que Heloísa Périssé vem adotando é se manter mais concentrada no presente. “A cada dia eu quero viver mais o hoje. O que está ao meu alcance é isso. Tirei da minha vida o discurso ‘ah, o que é mais importante?’ Importa focar no agora“, afirmou.

O trabalho atual de Heloísa Périssé é como parte do elenco da série A Vila, exibida pelo Multishow. A atual temporada foi aberta no último dia 29, e a humorista está muito orgulhosa desta nova fase de sua vida. Ela acredita que pode contribuir um pouco com o seu humor, pois “a gargalhada é mais contagiante do que o vírus”, conforme declara.