in

Família descobre que idosa com Covid-19 está viva após abrir caixão durante velório

A capital paraense registrou mais um retrato do colapso do sistema funerário que a capital atravessa em meio à pandemia.

Divulgação/G1

A cidade de Belém está passando por uma situação bem difícil durante a pandemia do novo coronavírus. Infelizmente, a capital paraense está vivendo um colapso em seu sistema funerário. Durante um velório que estava sendo realizado na última sexta-feira, 1º de maio, uma família teve uma grande surpresa ao abrir o caixão da avó que teria sido vítima fatal do novo coronavírus.

Publicidade

No entanto, os familiares perceberam que se tratava de outra pessoa dentro do caixão. Inclusive, chegou a ser emitida uma certidão de óbito para a suposta falecida, Maria da Conceição Oliveira, de 68 anos, mas a senhora estava viva e foi encontrada após insistência dos parentes. Ela estava em um leito do Hospital Abelardo Santos, na capital, e tratando os sintomas da Covid-19.

De acordo com a família, a idosa está melhor e na noite da última segunda-feira e tomografias já mostraram que o avanço da recuperação dos pulmões. O neto, Bruno Oliveira, contou que a avó até chegou a caminhar dentro do quarto. A Sespa (Secretaria de Saúde do Pará) admitiu o erro e afirmou ser falta da estrutura diante do grande aumento de pessoas doentes e mortas devido a Covid-19.

Publicidade

O número de pessoas que perderam a vida vítimas de Covid-19 no estado do Pará teve um aumento de 222% , isso em apenas uma semana. O crescimento é muito maior do que à média nacional no mesmo período, de acordo com dados do Ministério da Saúde. O estado também registou no mês de abril um aumento de 16% de remoção de mortos por causas naturais ou doenças, conforme dados da Sespa.

Publicidade

Na capital paraense, o sistema funerário e de saúde já entraram em colapso. Por causa disso, a prefeitura tem realizado enterro em um cemitério particular. A medida provocou grande preocupação com uma possível contaminação de poços artesianos.

Publicidade

Além de todas as dificuldades, a população precisa lidar com o drama na dificuldade da remoção de corpos. Algumas pessoas relataram que o corpo de um ente querido chegou a ficar 20 dias em casa aguardando remoção.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.