in

Marina Ruy Barbosa é cancelada na internet por causa do passado de seu tataravô; entenda

Atriz está recebendo duras críticas por conta do que o seu tataravô teria feito no passado.

Marina Ruy Barbosa/Instagram

Marina Ruy Barbosa está entre os nomes mais comentados no Twitter nessa manhã de domingo (03). O famoso cancelamento virtual atingiu a atriz, mas o motivo não teria nada a ver com a ruiva e sim com o seu tataravô, Rui Barbosa, que está sendo acusado de ter atitudes racistas no passado.

Publicidade

O assunto está dividindo a opinião dos internautas, alguns defendem a ruiva, outros provocam pedindo posicionamento da global. A grande maioria está tratando o assunto com bom humor ao questionar o fato de Marina estar sofrendo críticas por conta de algo que não fez.

E é claro que o caso virou assunto político: “A militância cancelando a Marina Ruy Barbosa por causa do TATARAVÔ dela ter sido racista Eu aviso ou vocês avisam que os antepassados dos militantes também eram do mesmo jeito?”, disse um internauta.

Publicidade

Confira alguns dos tuítes sobre o cancelamento

https://twitter.com/lovseIfish/status/1256997313635069958

Publicidade

Já outro internauta destacou o seguinte: “Não é legal atacar ela, mas acho que o problema nisso tudo é que pintaram o Ruy Barbosa como um herói na nossa história, a própria Marina fala dele assim e ele fez algo muito errado”.

Publicidade


Motivo real do ataque a Marina Ruy Barbosa

Muitos não estavam entendendo o motivo do ataque a Marina, foi então que um internauta resolveu explicar. Ruy Barbosa foi um politico que teria pedido a queima de arquivos sobre a escravidão. Mesmo não sendo um fato comprovado, informações revelam que a queima desses arquivos sobre o tráfico de negros e as famílias envolvidas teria dificultado o resgate histórico dos escravos e das famílias.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Ariane

Formada em pedagogia em 2011, atuo como redatora desde 2015. Produzo conteúdo sobre o que sou fã. Séries, músicas e tudo que envolve o mundo pop.