in

‘E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê?’, diz Bolsonaro sobre mortes causada por Covid-19

O Brasil somou 5.017 mortes por covid-19, segundo os números oficiais, e superou o total de mortos da China.

Divulgação/G1

O presidente Jair Messias Bolsonaro questionou um jornalista na portaria do Palácio da Alvorada. Ele questionou o repórter sobre o que ele queria que fizesse sobre as mortes provocadas pelo novo coronavírus no Brasil. Nesta terça-feira, o país ultrapassou os números de vítimas fatais da China, país onde o surto teve início no fim do ano passado.

Publicidade

O boletim emitido pelo Ministério da Saúde desta última terça-feira, 28 de abril, chegou a marca de 5.017 mortos. A China, o número de mortes foi de 4.643. Durante uma entrevista, um repórter se dirigiu ao presidente e abordou o assunto. “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, disse o governante fazendo uma referência ao próprio sobrenome.

Pouco depois, na mesma entrevista, o presidente falou que solidarizava com os familiares das vítimas da Covid-19. Ele ressaltou que lamenta a situação que o país atravessa por causa do vírus. Mas, Bolsonaro fez questão de ressaltar que a maioria das vítimas eram pessoas idosas.

Publicidade

Um jornalista perguntou se ele tinha intenção de conversar com o ministro da saúde sobre a questão de flexibilizar o isolamento social, mas o governante se limitou a dizer que não obriga e nem dá parecer a ministro para fazer nada. Bolsonaro ainda frisou que em nenhum momento teria negado que o vírus provocaria mortes no país e voltou a dizer que 70% da população vai ser infectada com a Covid-19.

Publicidade

Jair Bolsonaro disse que as mortes que aconteceram hoje são de pessoas que contraíram o vírus há duas semanas e por isso a realidade é que a doença vai atingir a maior parte da população.

Publicidade

A pandemia do novo coronavírus tem deixado a população do mundo inteiro assustada. No Brasil a doença continua avançando. O número de mortes cresce de forma assustadora e a quantidade de pessoas infectadas já ultrapassou a marca de 70.000.

Publicidade
Publicidade
Publicidade