in

Grupos de risco Covid-19: quem são os mais afetados pela doença

Divulgação/PaiseFilhos

Com o número de casos do novo coronavírus crescendo com tanta rapidez no Brasil, é importante saber identificar quais são as pessoas mais vulneráveis, ou seja, quem faz parte do grupo de risco da doença para que as medidas de prevenção sejam redobradas.

Publicidade

Segundo dados da OMS – Organização Mundial de Saúde, as pessoas com maior vulnerabilidade a contrair a doença são aqueles que tenham uma saúde mais frágil. Entre eles estão pessoas acima de 60 anos, hipertensos, diabéticos, o grupo de risco composto por doentes crônicos que sofram com enfermidades cardíacas ou respiratórias, como bronquite asmática, por exemplo.

Os fumantes também fazem parte do grupo de risco, pois já possuem os pulmões afetados por causa do cigarro e isso faz com que sejam mais propensos a ter a doença. Os hospitais precisam ter uma atenção redobrada com estes casos, pois além de terem facilidade de serem infectado com o vírus, esses pacientes tem uma tendência maior a ter complicações por causa da Covid-19.

Publicidade

Os empregados da área da saúde também acabam tendo mais chances de se contaminarem. Portanto, precisam de uma atenção especial para evitar que propaguem o vírus para pacientes já em condição frágil, caso estejam contaminados com o coronavírus. Segundo o diretor da OMS, algumas mortes com crianças forma confirmadas, por esse motivo, também é importante proteger os pequenos.

Publicidade

O novo coronavírus faz parte de uma família de vírus que já é conhecida da comunidade médico há mais de 50 anos. Ele recebeu esse nome por causa do seu formato que parece de uma coroa, quando é visto no microscópio. A Covid-19 é provavelmente uma mutação que não atingia o ser humano. Nos últimos meses, o vírus acabou passando de um animal para uma pessoa.

Publicidade

A forma de contágio se dá através do ar ou o contato com secreções que estejam contaminadas. Por isso, a importância de realizar a higienização das mãos constantemente. Não existe um medicamento específico para tratar o novo coronavírus, portanto a prevenção é o melhor remédio.

Publicidade
Publicidade
Publicidade