in

Durante quarentena, sambódromo se transforma em abrigo para moradores de rua

Teixeira/FolhaPress

A prefeitura do Rio de Janeiro tomou uma decisão sobre um assunto, que até então era ignorado pela maioria dos governantes durante a pandemia do novo coronavírus: o acolhimento de moradores de rua.

Publicidade

O prefeito da cidade maravilhosa, Marcelo Crivella, anunciou que a partir dessa segunda-feira, 30, o sambódromo passa a ser abrigo para moradores de rua durante toda a quarentena. Embora queiram atendem o máximo de moradores de rua, haverá preferência para idosos, gestantes e mulheres que vivem nas ruas com os filhos.

O sambódromo passou por uma rápida adaptação recebendo locais cobertos para que as pessoas possam se abrigar no local. Segundo a prefeitura, 140 pessoas em situação de rua já foram acolhidas em abrigos da cidade. Oito salas de aula que funcionam no sambódromo viraram quartos improvisados para atendem os moradores de rua.

Publicidade

A prefeitura dividiu o local em três partes: um com capacidade para 128 homens adultos, outro com 144 vagas para mulheres, grávidas e mães com seus filhos, e um terceiro com capacidade para receber 120 idosos. Vale salientar que, como muitos dos moradores de rua vivem nessa condição há anos, existem muitos deles que podem ter doenças crônicas e não sabem ou não podem tratar, como diabetes, hipertensão e problemas renais, tornando-se parte do grupo de risco para contágio do novo coronavírus.

Publicidade

Outros estados ou cidades do país ainda não disseram de forma oficial o que pretendem fazer ou o que estão fazendo para proteger a população de rua, que é bem elevada. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Guti M

Redator de entretenimento e curiosidades