in

‘Porque decidi me casar com minha própria mãe’

G1

Lillian Faderman e Phyllis Irwin se uniram para iniciar um projeto de estudo sobre mulheres, e foi aí que essa história de amor, que durou mais de 48 anos, começou.
Nos anos 70, os casais do mesmo sexo podiam ser condenados por lei nos Estados Unidos e, portanto, era muito difícil começar uma família, então eles tiveram que recorrer a outras maneiras de estabelecer laços legais. 

Publicidade

Depois de três anos juntas, elas decidiram ter um filho, então Lillian, 11 anos mais nova que Phyllis, teve uma inseminação artificial e, em 1975, deu à luz seu primeiro e único filho, Avrom. No entanto, legalmente a única família da criança era Lillian e isso os preocupava muito.

No entanto, na Califórnia, um adulto pode adotar outro se tiver uma diferença de idade de dez anos ou mais, e foi assim que descobriram que ambos poderiam ser parentes da Avrom. Phyllis se tornou avó de Lillian.

Publicidade

Como eles disseram durante uma entrevista com o programa de rádio ‘Outlook’, para eles não era incomum e, de fato, facilitava a vida com o filho. Além disso, embora ele soubesse que tinha duas mães, sentia-se mais à vontade em apresentá-las a eles. seus amigos. 

Publicidade

Em 2008, o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado e, no dia seguinte, as duas se casaram. No entanto, em 2015, disseram a eles que poderiam ter problemas, porque legalmente ainda eram mãe e filha, então cancelaram a adoção e se casaram novamente.

Publicidade

Ou seja, mesmo após tantos obstáculos, a história de amor delas teve um final feliz, ainda que bem tardio. A história foi contada pela BBC e teve grande repercussão mundial.

Publicidade
Publicidade

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.