in

Policial chora ao visitar 6 irmãos que ficaram órfãos após pai morrer no velório da esposa

Divulgação: Headtopics

A história dos seis irmãos que ficaram órfãos de pai e mãe está causando uma grande repercussão não só na cidade onde aconteceu a fatalidade, mas em todo o mundo. Nas redes sociais, muitas famílias se colocaram à disposição para ajudar ou até mesmo adotar os irmãos. Atualmente, eles estão sobre os cuidados de seus avós maternos.

Publicidade

Os irmãos são: Ali Mardani, Alika Mardani, Alifa Alfira Mardani, de 6 anos, Aldo Lilah Mardani, de 4 anos, Dira Naura Mardani, de 2 anos, e Safayanti Bulan Mardani com um mês e seis dias. Seus pais morreram no mesmo dia devido à hipertensão.

O pai das crianças, Yaya Handani, de 33 anos, morreu enquanto o corpo de sua esposa, Sri Haryanti, de 27 anos, estava sendo velado. Os seis órfãos estão sobre os cuidados de seus avós, Mustofa, de 53 anos, e sua esposa, Ode Rusdiana, de 52. 

Publicidade

“Anteriormente, minha filha não estava com muito peso. Ao checar no centro de saúde, constatou que ela estava normal. Minha filha morreu no domingo”, disse Rusdiana.

Publicidade

Suporte do prefeito

O prefeito, Rizal Effendi, da cidade de Balikpapan, na Indonésia, relatou que o Serviço Social do Governo da Cidade de Balikpapan vai dar todo apoio necessário para as crianças.

Publicidade

De acordo com o prefeito, dos seis órfãos, quatro filhos não possuem certidão de nascimento e não foram registrados no cartão da família dos pais. Porém, todas as providências já estão sendo tomadas.
 

Chefe da polícia vai às lágrimas ao segurar uma das crianças

O chefe da polícia, Kapolresta Balikpapan Kombes Pol Turmudi, fez uma visita na casa dos avós onde estão os irmãos órfãos e se emocionou.
Durante sua visita, Kapolresta foi visto chorando enquanto segurava o bebê mais novo de 1 mês. Kapolresta relatou que a polícia é que supervisiona as necessidades das crianças abandonadas. 

Pol Turmudi não deu muita informação sobre a situação financeira que se encontram os avós das crianças, apenas disse que é o dever da polícia fornecer todo o apoio. “Viemos para fornecer apoio moral à humanidade social, para nos preocuparmos com a empatia“, disse Pol Turmudi.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Francisco Nunes

Barbeiro profissional.