in

Assassinos de família carbonizada vão sofrer duro castigo e Sergio Moro comemora

Arquivo Pessoal Ana Flávia / EBC

A morte do casal Flaviana e Romuyuki e do filho Juan, de apenas 15 anos, está repercutindo em todo o Brasil. A família foi morta no dia 28 de janeiro. Os corpos foram encontrados carbonizados dentro de um carro.

Publicidade

A família morava em um condomínio na cidade de Santo André, no ABC Paulista. Os detalhes do crime são revoltantes.

Ana Flavia, filha do casal e irmã de Juan, foi detida. Além dela, sua companheira Carina Ramos foi pega pela polícia. Um primo de Carina também foi encontrado pela polícia.

Publicidade

O rapaz contou à polícia que as duas participaram do plano para matar Flaviana, Romuyuki e Juan. O objetivo: R$ 85 mil que a família guardava em um cofre.

Publicidade

No total, cinco pessoas foram detidas pela polícia. Ana Flavia e Carina confirmaram que facilitaram a entrada dos suspeitos no condomínio, mas negam que praticaram o assassinato.

Publicidade

As duas já tinham sido indiciadas por homicídio triplamente qualificado, mas a polícia decidiu investigar um pouco melhor antes de avançar no inquérito.

O crime foi cometido pouco menos de uma semana de entrar em vigor a lei anticrime, proposta pelo ministro da Justiça, Sergio Moro. Entre as mudanças, está o aumento da pena máxima para 40 anos.

Além disso, saidinhas no dia dos pais e dia das mães também ficam inviabilizadas. O casal Nardoni, por exemplo, condenado por assassinar Isabella Nardoni, tem direito às saidinhas.

No Twitter, Sergio Moro comentou sobre o caso. “A lei anticrime já vai começar a surtir seus efeitos, com tratamento mais rigoroso para crimes hediondos com resultado morte, como no caso do lamentável assassinato dessa família”, afirmou.

Em seguida, o ministro do governo de Jair Bolsonaro citou algumas das mudanças. “Execução imediata do veredicto do Tribunal do Júri; – progressão de regime da pena, do fechado para o semiaberto, admitida somente após o cumprimento de metade da pena (podia ser mais tempo); – proibição de saída temporária durante o cumprimento da pena, a dita ‘saidinha’; e – elevação do tempo máximo de cumprimento da pena de 30 para 40 anos”, finalizou o ministro.

Moro foi bastante elogiado na postagem. Ele é o ministro mais bem avaliado no governo do presidente Jair Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!