in

Caso Raíssa: laudo é divulgado, diz se menor assassino teve ajuda e detalhes assustam

Foto/Reprodução: Folha Pernambuco

A morte de Raíssa Eloa Camparelli Dadona, de apenas nove anos, continua repercutindo. O laudo oficial da Polícia Civil foi divulgado pelo jornalista Luiz Bacci, do Cidade Alerta, nesta quinta-feira (31) e revela detalhes do crime.

Publicidade

A menina autista de 9 anos foi morta com requintes de crueldade no dia 29 de setembro, no Parque Anhanguera, zona norte da cidade de São Paulo.

O suspeito de ter matado Raíssa é um colega dela que tem apenas 12 anos. A menina estava participando de uma festa no Centro de Educação Unificado (CEU) Anhanguera quando foi convencida a deixar o local.

Publicidade

Câmera de segurança da região mostraram Raíssa e menor de 12 anos caminhando em direção ao arque. No local, ele a matou. O laudo revelou que apenas dois estavam na cena do crime. Portanto, foi descartada a presença de uma terceira pessoa.

Publicidade

“Nas amostras enviadas, foram localizados apenas dois perfis no local, sendo um da vítima e o outro do menor”, diz o laudo da Polícia Científica.

Publicidade

O laudo também indica que houve luta corporal entre Raíssa e menor suspeito do assassinato. “A presença de gotejamentos nematoides sobre as folhas a 35 metros indica que Raíssa estava ferida antes de chegar à arvore. Há a possibilidade que da vítima ter se movimentado no entorno do tronco para a esquerda até a sua imobilização”, continua o laudo pericial.

Raíssa também foi abusada antes de ser morta, conforme havia revelado documento divulgado anteriormente. O menor está preso e o laudo será fundamental para a decisão da Vara da Infância.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!