in

Garota de 10 anos morre após contrair ameba que come cérebro; saiba como evitar a doença

Divulgação/G1

A morte de uma garota de apenas 10 anos vem gerando grande comoção ente amigos e familiares. Lily Mae Avant morreu vítima de uma grave doença, a meningoencefalite amebiana primária. A enfermidade é considerada rara, contudo ficou conhecida pois ataca o tecido cerebral. A garota contraiu a doença ao entrar em contato com as águas de um lago que fica localizado no Texas, Estados Unidos. 

Publicidade

A escola onde a criança estudava se manifestou sobre o falecimento da aluna. A instituição fez questão de prestar solidariedade aos familiares nesse momento difícil. “Estamos profundamente entristecidos pela perda de Lily Avant”, informou a instituição Valley Mills Elementary, escola frequentada pela garota. Por meio das redes sociais o estabelecimento de ensino ressaltou qualidades da menina, “uma pessoa incrível e amiga de todas”.

O micro-organismo é conhecido popularmente como ameba comedora de cérebros. No entanto, ela costuma se alimentar de bactérias que ficam presentes na água. Ao entrar em contato com o organismo humano, a ameba não consegue encontrar os nutrientes que precisa para se manter viva. Com isso, acaba atacando as células cerebrais.

Publicidade

Esse micro-organismo costumar estar presente em águas doces e mornas, mas a infecção é mais rara nesses casos. Quando a ameba ataca o organismo é porque entrou em contato através do nariz. Por esse motivo, a recomendação é que seja usado protetores de nariz quando se nadar em lagos com água morna.

Publicidade

De acordo com a informação da CNN, a garota estava tratando a enfermidade há aproximadamente duas semanas. Lily foi hospitalizada no último dia 8 de setembro. Após ser submetida a uma bateria de exames, os profissionais constataram que a menina estava com a ameba em seu organismo.

Publicidade

A jovem começou a sentir dores de cabeça que foram aumentando. Em seguida, apesentou um quadro de febre, que acabou sendo confundido com uma virose. Como a doença rara, os médicos demoraram para fechar o diagnóstico correto.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.