in

Furacão Dorian destrói Bahamas e atinge 700 mil pessoas: ‘Não sobrou nada, só corpos’

Arte / Diogo Marcondes (Foto Nasa)

O furacão Dorian causou estrago nas Bahamas. O país da América Central ficou totalmente destruído com a passagem dos ventos e tempestade pelo local. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 700 mil moradores do país precisam de ajuda humanitária.

Publicidade

As autoridades ainda não conseguiram levantar o número oficial de mortos, devido aos estragos causados por todo o país. Depois de atingir Bahamas, o Dorian seguia para a Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

O local mais atingido do Bahamas foi a Ilhas Abaco, no norte do país. A devastação foi geral nessa região. Pistas, lojas, locais de trabalho e porto ficaram totalmente destruídos. Além disso, a destruição em um hospital e um aeroporto da região impediram que resgates fossem realizados.

Publicidade

Em sua passagem pelo Caribe, o Dorian chegou a ser classificado na categoria 5, a maior que existe. Ao menos 20 pessoas morreram no país. Mas esse número pode aumentar bastante, de acordo com o primeiro-ministro Hubert Minnis.

Publicidade

Emissoras de TV e agências internacionais de nacionais mostraram de perto o drama das pessoas que moram em Bahamas. Uma das moradoras de Marsh Harbour lamentou o fato de não ter sobrado nada da ilha de Abaco. “Não sobrou nada, só corpos”, disse ela.

Publicidade

Diante da tragédia que abala as Bahamas, os telefones pararam de funcionar. Moradores estão usando as redes sociais para publicar nomes de pessoas desaparecidas. De acordo com a Reuters, postagem do Our News Bahamas tinha 2.500 comentários. Em muitos deles, internautas listavam nomes de familiares que estavam sumidos desde que o Dorian passou pelo país.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!