in

Crianças desenvolvem ‘síndrome de lobisomem’, e o motivo é desesperador

Science Photo Library / BBC News Brasil

Na Espanha, algumas crianças passaram a desenvolver sintomas da hipertricose, conhecida como ‘síndrome de lobisomem’, o que assustou os familiares e médicos, levando a caso de investigação pelas autoridades locais, devido a um crescimento anormal de cabelos após, os pequenos receberem medicação incorreta.

Publicidade

Segundo dados da imprensa local, há um total de 17 casos, dez na cidade de Cantábria, norte da Espanha, quatro na região sul de Andaluzia, em Granada, e três no leste do país, em Valência. Assim que os primeiros casos começaram a ser relatados, em julho deste ano, o medicamento foi retirado dos mercados. 

Uma das mães, Angela Selles, em entrevista ao El País, contou que seu filho Uriel, tinha apenas seis meses quando os sintomas começaram, “Foi muito assustador porque não sabíamos o que estava acontecendo com ele”.

Publicidade

Os sintomas foram desenvolvidos logo após as crianças tomarem uma medicação supostamente para doenças estomacais, porém a mesma, possuía uma mistura de elementos químicos incorretos, com componente para tratamento de calvície, o minoxidil, composto ativo que estimula o crescimento de cabelo.

Publicidade

A investigação do caso foi feita pela Aemps, agência reguladora de saúde espanhola, que constatou a relação do problema à uma fórmula receitada para as crianças, no tratamento de refluxo ácido do estômago.

Publicidade

Ainda em relatório divulgado pela agência, o medicamento que continha minoxidil, deveria conter omeprazol, utilizado para enjoos. Além disso, também afirma-se que o remédio foi distribuído por uma empresa farmacêutica na região de Málaga, que segue fechada.

Na última quarta-feira, dia 28, o Ministério da Saúde espanhol, falou que o erro, que foi interno, se deu devido à um dos lotes da fórmula de tratamento da calvície ter sido rotulado de maneira incorreta, se misturando com a medicação estomacal.

A previsão dos médicos, é que as crianças afetadas comecem a melhorar dentro de algumas semanas, ao passo que o excesso de cabelo for caindo.

Publicidade
Publicidade