in

PF divulga caminho dos hackers até o celular do ministro Sérgio Moro

Portal Renova Mídia

Após um mês de investigações envolvendo o episódio da clonagem do celular do ministro da Justiça Sérgio Moro e demais procuradores da Operação Lava-Jato, a Polícia Federal (PF) teria conseguido reunir provas suficientes que levassem à prisão das pessoas suspeitas de praticar o ataque.

Publicidade

Ainda de acordo com as investigações, a PF estima que os suspeitos presos sejam integrantes de uma organização criminosa. O Ministério Público Federal (MPF), que também acompanha o caso de perto acredita que os acusados aproveitaram as falhas de segurança do aplicativo de troca de mensagens do Telegram para praticar o ataque.

“As chamadas em que o número de origem é igual ao número de destino são direcionadas diretamente para a caixa postal, sem necessidade de inserção de senha de acesso ao conteúdo das mensagens gravadas” , o trecho foi retirado de uma parte do relatório que o MPF pretende encaminhar à justiça durante o processo.

Publicidade

As investigações dão conta que por meio do aplicativo denominado VOIP lançado pela empresa de tecnologia BRVOZ, os hackers tiveram acesso às informações sigilosas e acabaram clonando o celular de Moro. Ainda durante as investigações, os agentes da PF conseguiram capturar evidências cadastrais das pessoas suspeitas da clonagem.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

De acordo com especialistas, o Telegram apresenta algumas falhas na área de segurança, uma delas está relacionada ao fato do usuário solicitar acesso ao aplicativo por meio de ligação telefônica, para receber o código de autorização por meio de mensagens postais que ficam anexadas em caixas postais das vítimas sem que elas percebam.

Publicidade

Nessas ocasiões, os invasores acabam aproveitando-se da falha e realizam inúmeras ligações para o número da vítima para fazer com que a linha fique sobrecarregada, com isso, o número do código de autorização do Telegram é enviado para a caixa postal do alvo, o que acaba facilitando o acesso à invasão do celular e captura das informações.

Publicidade

Escrito por Elniclio Schanhaex

Redator Freelancer, há 4 anos escrevendo artigos para site de notícias como Artigo Mundo, TextBroker e RocketContent