in

Perguntas que ainda não foram respondidas do caso Flordelis e pastor Anderson

Gideões

Quase um mês após o brutal assassinato do pastor evangélico Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis, ainda há muitas perguntas que as investigações não conseguiram responder.

Publicidade

Inicialmente dois filhos do casal, um biológico e um adotivo, foram presos como suspeitos do crime. Um deles confessou o crime, mas as motivações da execução não ficaram claras e possuem muitas versões.

Flordelis, até então vista como a vítima ao perder o marido, acabou sendo apontada como suspeita pelo crime por um de seus filhos.

Publicidade

Veja agora algumas perguntas sobre o crime que ainda seguem sem respostas

Publicidade

Onde estará o celular de Anderson do Carmo?

O aparelho celular do pastor foi usado duas vezes após a sua morte, mas a polícia não conseguiu localizá-lo. Segundo depoimento de um mototaxista, uma neta de Anderson teria jogado um celular no mar. Em sua defesa, a moça disse que foi a praia no dia em que o mototaxista se refere, mas só estava relaxando.

Publicidade

Por que havia uma fogueira na casa de Flordelis após o crime?

No dia 18 de junho, quando a polícia civil esteve na residência de Anderson e Flordelis a fim de apreender itens úteis para as  investigações, encontram uma fogueira no quintal. Quase tudo o que havia sido colocado no fogo já estava destruído, logo, ainda não se sabe o que a família tentou ocultar ou se livrar fazendo a fogueira. A polícia conseguiu pegar alguns restos de objetos queimados e enviou para a perícia, mas o resultado ainda não foi divulgado.

Flordelis teve alguma participação no crime?

Em um primeiro momento, Flordelis foi vista como a vítima, que perdeu o marido para mais um ato de violência no Rio de Janeiro. No dia seguinte tudo começou a mudar com a prisão de dois de seus filhos.

Um dos filhos que não está preso disse em depoimento que acredita que a mãe e três irmãs estejam envolvidas no crime, além de salientar que Flordelis teria dito que a hora do pai estava chegando, bem como Anderson teria mostrado ao filho uma ameaça recebida há meses.

No caso do filho ter mentido para incriminar a mãe, quais seriam suas motivações?

Flordelis e Anderson são pais de 55 filhos, sendo 51 deles adotados. Se por um lado especialistas apontam que é impossível haver total harmonia em uma família tão grande, por outro paira a dúvida sobre qual razão levaria um filho a acusar a própria mãe de estar envolvida na morte do pai, no caso dela não ter qualquer ligação com o crime.

Brigas pessoais? Dinheiro? Vingança? Problemas psicológicos naturais após dois dias da perda repentina do pai? Essas respostas ainda não podem ser respondidas.

O que levaria a neta de Anderson a ir para a praia após a morte do avô?

Um mot taxista acusou a neta de Flordelis e Anderson de jogar um celular no mar. O celular poderia ser o de Anderson, que a polícia não consegue encontrar. Em sua defesa, a moça declarou que foi a praia, mas com o intuito de relaxar.

Entretanto, o que levaria alguém que acabou de ter o avô assassinado a ir à praia relaxar, mesmo sabendo que o caso ganhou repercussão nacional e que poderia ser fotografada a qualquer momento? Outra pergunta que a polícia tentará responder.

Quantos tiros Anderson levou?

Embora a polícia tenha divulgado que havia 30 perfurações de projeteis de arma de fogo no corpo do pastor, não é possível informar com precisão quais perfurações são de entrada e de saída dos tiros, logo, ele pode ter levado menos tiros.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Guti M

Redator de entretenimento e curiosidades