in

‘Nunca é tarde’: aos 70 anos, idosa realiza sonho e se forma em faculdade no Acre

Reprodução: Arquivo pessoal Ivete de Souza/G1

Uma mulher de 70 anos ganhou destaque na mídia por demonstrar, na prática, o que diz o antigo ditado “nunca é tarde para aprender”. A lição foi compartilhada por dona Ivete de Souza, moradora de Rio Branco, ao anunciar sua colação de grau e formatura em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Acre (Ufac).

Publicidade

A colação de grau aconteceu essa semana e a nova atriz ganhou homenagem especial dos colegas, professores e até da reitoria da universidade. Dos 45 alunos que ingressaram no curso junto com ela, apenas seis se formaram. “Eu entrei pra faculdade com 65 anos, hoje estou com 70 e me sinto com 20 anos. Nunca é tarde para as pessoas estudarem”, afirma dona Ivete, que recebeu, ainda, convite dos reitores para iniciar um mestrado.

E no que depender dela é só o começo. Afinal, a paixão pelos estudos vem desde cedo. Dona Ivete conta que nasceu em um seringal e que, aos 16 anos, pediu aos pais para ir estudar na cidade. Eles, no entanto, tinham outros planos e queriam que ela permanecesse no local. O sonho de estudar ficou adiado por longo tempo.

Publicidade

Dona Ivete trabalhou como faxineira, serviços gerais. auxiliar de enfermagem, e até na área da educação. Só no fim da década de 90, aos 50 anos, concluiu o Ensino Médio. Porém, seu sonho de estudar permaneceu sempre vivo. Queria ser atriz, decisão que tomou após conhecer um teatro ainda nos anos 80.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Quase 30 anos mais tarde, o sonho dos estudos não morreu. Encorajada por uma amiga, que tinha acabado de se formar no curso de Letras, dona Ivete resolver prestar o exame do ENEM. “Eu estava desencorajada, mas ela disse assim: ‘que nada, a senhora é jovem, tem capacidade de fazer’. Fiz a prova e, quando saiu o resultado ela me ligou contando que eu tinha passado. Entrei nessa faculdade em 2014 por causa dela”, lembra dona Ivete. 

Publicidade

Ela conta que foi a inspiração para muitos de seus colegas de turma. “Durante a colação de grau, eles agradeceram muito a Deus e a mim por terem continuado, muitos viviam nas drogas e pararam ou deram um tempo até se formar. Até chorei de alegria”, disse emocionada.

Publicidade

Escrito por Fabrício Veloso

Jornalista por formação e muita paixão, radialista, fã de boas histórias e de ótimos 'causos'.
Desde 2004, atuo nesse fascinante e desafiador mundo das notícias e da Comunicação.
Contato: fagvbh@gmail.com