in

Tragédia na África: desespero, dor, imagens aterrorizantes e mais de mil mortos

Arte / Diogo Marcondes

O sul do continente africano está experimentando uma terrível tragédia. O ciclone Idai passou pela região e destruiu casas, hospitais, estradas. Os países mais atingidos são Malauí, Zimbábue e Moçambique.

Publicidade

O ciclone nasceu de uma depressão tropical na costa leste de Moçambique no início do mês. O Idai avançou, ganhou força à medida em que seguiu rumo ao continente e causou grande devastação.

As palavras do presidente moçambicano Filipe Nyusi são assustadoras. Em entrevista a um rádio estatal, ele afirmou que o número de mortes pode passar de mil. No momento, a contagem oficial registra 84 óbitos e centenas de desaparecidos.

Publicidade

A Unicef Moçambique publicou nas redes sociais algumas imagens aterrorizantes de áreas devastadas. Nyusi, que sobrevoou algumas áreas em seu país, disse ter visto corpos boiando e classificou a destruição como um “verdadeiro desastre humanitário“.

Publicidade

Os números são absurdos. Segundo o governo de Moçambique, 100 mil pessoas devem precisar de resgate. Seiscentos mil foram atingidas por desabamentos, deslizamentos e enchentes.

Publicidade

Em uma das províncias mais atingidas pelo ciclone Idai, Buzi, a ONG Save The Children estimou que 50 km de terra estão submersos. O levantamento mostra que em 24 horas a cidade pode ficar completamente embaixo da água. No local, vivem 2,5 mil crianças.

No Zimbábue, são 98 mortes confirmadas e 217 desaparecidos, de acordo com o governo. O presidente do país, Emmerson Mnangagwa, afirmou que o governo está conduzindo missões de resgate e ajudando as vítimas com alimentos.

Publicidade
Destaque: Mulher quase é presa por emagrecer demais! Confira
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!