in

‘Não sou mais a mesma médica desde o nascimento de minha filha’, desabafa mãe

Reprodução: Instagram/Priscila Rodrigues

Uma médica chamada Priscila Rodrigues, que é pediatra de uma UTI disse que sempre ouviu a frase: “você vai ver, sua vida vai mudar depois de ser mãe”. Ela confessa que sabia que sua vida até poderia mudar, assim como as suas prioridades, seu sono, sua rotina e seu jeito de ver o mundo, o que ela não sabia é o quanto essa mudança viria acompanhada de dor.

Publicidade

No depoimento ela conta que poderia ter sido um dia como outro qualquer, pois ela já estava de plantão desde a noite anterior e não tinha nenhum paciente grave e a UTI estava tranquila.

Ela conta que iniciou o seu dia normalmente como faria em qualquer outro, afinal faziam dois meses que ela já tinha retornado ao trabalho e sua vida aos poucos ia se ajeitando. Sua filha fica com os avós e por isso ela estava mais tranquila.

Publicidade

Assim que chegou ao plantão ela notou que sua amiga, uma outra médica, estava pedindo para que iniciassem a dobutamina, e pela complexidade da medicação, ela sabia que era algo grave. Ela foi orientada a se vestir e comer algo antes de ajudá-la.

Publicidade

Ao voltar no quarto ela percebeu que estava com um coração diferente. Ela já viu muitos pacientes graves e deu notícias piores, mas que agora seu coração era outro, era um coração de mãe e não só de médica.

Publicidade

No leito estava um garotinha de 2 anos, com tubos, sedada e com choque séptico, sendo este um dos piores choques e evolução que ela já viu. A médica conta que ficou o plantão todo a beira desse leito, conversou muito com os pais e criou um vínculo muito forte com eles, algo que nunca tinha feito antes.

Fez o possível para ajudar e no término do plantão a menina teve uma parada cardíaca que foi possível reverter e ela não parava de pensar que poderia ser sua filha. Ao se despedir dos pais ela chorou muito com eles, pois sabia qual era o desfecho.

Chegando em casa, ela abraçou muito sua filha, disse que a amava muito e chorou novamente sentindo a dor dessa família e por sua sensação de impotência. Infelizmente, ela recebeu a notícia que a menina não resistiu, sendo este um dos piores casos de evolução que ela já havia presenciado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Nado Calegari

Sou formado em Sistemas de Informação com pós-graduação em Gerenciamento de Projetos em T.I. Além de atuar como programador há 8 anos, trabalho também como redator há cerca de 3 anos, o que fez despertar uma nova paixão. Tanto que, atualmente, sou graduando em Letras - Português e Inglês. Escrevo sobre tudo o que envolve o mundo do entretenimento, além de falar sobre esportes e as principais notícias do dia a dia. Pode entrar em contato comigo através do e-mail nado_news@hotmail.com .