in

Pela primeira vez na história, duas mães gestaram o mesmo bebê

Reprodução: Facebook / Bliss e Ashleigh

Pela primeira vez na história da inseminação artificial, duas mãe gestaram o mesmo bebê com uma técnica inédita de fertilização in vitro. Esse ato inédito foi criado por pesquisadores dos Estados Unidos, sendo realizado com grande sucesso em um casal do mesmo sexo.

Publicidade

Ashleigh, de 28 anos, e Bliss Coutler, de 36 anos, se conheceram há cerca de seis anos se casando pouco tempo depois. As duas decidiram ter um bebê no final do ano passado e foram atrás dos especialistas no assunto, Kathy e Kevin Doody. Eles estavam criando uma nova técnica que foi batizada de recíproca e sem esforço, em sua clínica no Texas, nos Estados Unidos.

O procedimento inicial é comum, os óvulos de Bliss foram colocados juntos do esperma de um doador, a única diferença é que o material genético não foi colocado em um incubador no laboratório, ele foi colocado em um dispositivo chamado INVOcell, e colocado de volta em Bliss por cinco dias, quando as primeiras etapas começam a se desenvolver.

Publicidade

“Os óvulos foram fertilizados no corpo dela. E quando fizemos a retirada deles, cinco dias depois, removemos o dispositivo em que estavam e congelamos os embriões que não seriam utilizados no momento. O que ficou demonstrado, não de forma surpreendente, é que o corpo da mulher é um excelente incubador. O fígado, rins e pulmões da mãe removem as toxinas do embrião e propiciam a ele um ambiente favorável ao desenvolvimento de forma natural e tão eficiente quanto a máquina”, disse Kathy em entrevista concedida ao USA Today.

Publicidade

Depois dessa etapa inicial o embrião foi implantado no útero de Ashleigh, já sem nenhum tipo de dispositivo e lá ficara durante toda a gestação, esse procedimento já deu certo na primeira tentativa e foi comemorada pelos especialistas e pelo casal.

Publicidade

O custo desse novo tipo de fertilização é em média a metade da cobrada pelos procedimentos comuns, chegando em média há 8 mil dólares e pode ser utilizada por casais heterossexuais também, a diferença é que ele é recolocado no mesmo útero em que foi retirado.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Nado Calegari

Sou formado em Sistemas de Informação com pós-graduação em Gerenciamento de Projetos em T.I. Além de atuar como programador há 10 anos, trabalho também como redator há cerca de 4 anos, o que fez despertar uma nova paixão e hoje também sou graduado em Letras - Português e Inglês. Escrevo sobre tudo o que envolve o mundo do entretenimento, além de falar sobre esportes e as principais notícias do dia a dia. Pode entrar em contato comigo através do e-mail nado_news@hotmail.com .