in

Presidente da Vale afirma que a empresa é um joia brasileira e não pode ser condenada

Site G1

Fabio Schvartsman, presidente da Vale, participou hoje na Câmera dos Deputados da audiência pública sobre o rompimento da barragem em Brumadinho, tragédia que destruiu parte da cidade mineira e interrompeu de forma drástica os sonhos de muitos inocentes que perderam suas vidas.  Para Fabio, por maior que foi a tragédia, a empresa não pode ser responsabilizada pelo acidente.

Publicidade

Ele tem se ocupado em primeira pessoa de todos os desdobramentos da tragédia, bem como das consequências e medidas adotadas para que no futuro não venha a acontecer novamente e afirmou na câmara que a Vale é uma joia brasileira que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu em sua barragem, por maior que tenha sido a tragédia. 

Segundo o presidente, todos as procedimentos adotados pela empresa nas barragens serão acompanhados e fiscalizados por um órgão responsável pelo licenciamento de barragens nos Estados Unidos, o U.S. Army Corps of Engineers. Fabio acrescentou ainda que a empresa também dará assessoria em algumas mudanças no código de mineração

Publicidade

Na audiência, Schvartsman explicou que a mineradora Vale pretende não mais utilizar barragens do modelo a montante”, que é o mesmo método utilizado na época na barragem de Mariana que se rompeu em 2015 e também o mesmo modelo de Brumadinho. Ele acrescentou também que a empresa possuiu mais 19 barragens construídas nesse mesmo modelo, porém, nenhum delas esta sendo utilizada.

Publicidade

Fabio informou que no período de três anos todas essas barragens serão desativadas por completo e substituídas por outro tipo e frisou que a Vale possui uma história de 70 anos e que nunca tinha registrado esse tipo de acidente. Segundo ele, a barragem que se rompeu em Feijão não foi construída pela Vale e sim pela Farteco, ou seja, a Vale adquiriu a barragem já pronta.

Publicidade

Sobre as indenizações, na última quarta-feira os interessados negaram o acordo proposto pela Vale. Fabio informou que a empresa pretende agilizar os pagamentos de indenizações e que não pretende levar nada para o judiciário, mas sim fazer acordos. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Priscilla Rodighiero

Formada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá, amante da escrita e do conhecimento, redatora de profissão, poetiza e escritora, mãe, esposa e serva do Senhor.