in

Brumadinho: primeiro corpo é retirado de dentro do ônibus que está submerso na lama

Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Publicidade

Brigadistas levaram aproximadamente 07 horas para retirarem o primeiro corpo que estava no ônibus. Ontem conseguiram localizar um ônibus que estava submerso na lama, o trabalho teve início na parte da manhã e levou quase o dia todo.

Após conseguirem alcançar o ônibus, foi preciso chamar um helicóptero para que trouxesse serras elétricas e outros equipamentos de perfuração, foram horas de trabalho até finalmente conseguirem remover parte da lataria tendo acesso ao interior do ônibus, quando abriram avistaram uma perna, o corpo estava preso na lama, após quase uma hora conseguiram remover o corpo por completo.

Publicidade

Nesta terça-feira (29), bombeiros afirmaram que é extremamente baixa a chance de encontrarem sobreviventes, um dos motivos seria devido à lama que vem dificultando os trabalhos pelas buscas. A Defesa Civil afirmou que são 279 os desaparecidos. Dos corpos encontrados, 35 foram identificados, mas outras 386 pessoas dadas como desaparecidas foram localizadas.

Publicidade

Vale ressaltar que o desastre de Brumadinho-MG pode ser considerado o maior acidente de trabalho. Só serão contabilizados como vítimas de acidente de trabalho os funcionários da Vale, incluindo os terceirizados. A maioria das pessoas ainda desaparecidas são funcionários da mineradora.

Publicidade

O professor de direito do trabalho, na Universidade de Guarulhos (UNG), Gleibe Pretti, declarou que o maior acidente registrado no Brasil até então tinha sido o desabamento de um galpão em Belo Horizonte na qual deixou 69 mortos em 1971.

No Brasil e no mundo, há muito casos não conhecidos. Se a gente falar de Serra Pelada, por exemplo, os garimpeiros costumavam descer por grandes escadas rudimentares. Quando quebrava um degrau em cima, o trabalhador caía sobre os outros. Muitos morriam e eram enterrados ali mesmo. Contam que a Praça dos Três Poderes, em Brasília, é um cemitério de operários pela quantidade de gente que morreu ali. Sem falar na Transamazônica, que tem mortes até hoje. Também só sabemos das mortes na China quando alguém vaza”, afirmou.

Publicidade
Publicidade
Publicidade