in

A culpa é de quem? Vale ‘não vê responsabilidade’ em tragédia e pede liberação de bens

Reprodução/CidadeAlertaRecord

A tragédia ocorrida na última sexta-feira em Brumadinho-MG conta até o momento com 60 mortos e 292 desaparecidos em meio ao mar de lama causado pelo rompimento da barragem de dejetos da mina do Córrego do Feijão, mina essa de propriedade da Vale. 

Publicidade

Devido a magnitude da tragédia, a Justiça de Minas Gerais já bloqueou até o momento o montante de 11 bilhões de reais da empresa. No entanto, a parte jurídica da Vale vêm tentando reverter essa decisão e até já foi feito um pedido de reconsideração sobre o bloqueio, ingressado há pouco na Comarca de Brumadinho.

O advogado da Vale, Sergio Bermudes afirma que a empresa não vê responsabilidade alguma sobre o acontecido: “Nem por dolo, que é infração intencional da lei, nem por culpa, que é a infração da lei por imperícia, imprudência ou negligência”. Bermudes completou seu comunicado dizendo que a empresa atribui a tragédia a um caso fortuito que ainda está sendo apurado. 

Publicidade

Sergio Bermudes fez questão de afirmar que não houve crime praticado pela Vale e ainda criticou as declarações da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que disse que a empresa deve ser responsabilizada severamente pela tragédia. O advogado afirmou que é de total interesse da Vale averiguar se houve algum tipo de crime, mas que até agora não vê nenhum indício que seja. 

Publicidade

Outro membro do atual governo, o senador Renan Calheiros, do MDB, também fez duras críticas à Vale e disse nesse domingo (27) que a diretoria da empresa deveria ser afastada. Bermudes retrucou dizendo que a Vale é atualmente uma empresa privada e não deve ter nenhum tipo de intervenção do governo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com