in

Chorando, moradora de Brumadinho relata desespero e desabafa: ‘vi o inferno aqui na terra’

Foto/Montagem: hojeemdia/elpais/Renato Silva

O Brasil inteiro tem acompanhado o triste desfecho da tragédia que aconteceu na cidade de Brumadinho, Minas Gerais. O rompimento de uma barragem da minerado Vale provocou a morte de várias pessoas e ainda existem centenas de desaparecidos. Os familiares das vítimas acompanham angustiadas pelas buscas dos familiares.

Publicidade

Enquanto isso, relatos de sobreviventes deixam a população brasileira comovida com a terrível situação. Um desabafo emocionante vem circulando pelas redes sociais. Maria Aparecida dos Santos, uma senhora que trabalhava numa fábrica de alimentos do município contou detalhes de como conseguiu escapar da morte.

A operadora de máquina afirmou que nenhuma sirene tocou para alertar que a barragem havia se rompido. A mulher disse que os moradores haviam passado por um treinamento para caso esse tipo de situação ocorresse. Durante o treinamento, Maria Aparecida contou que um alerta deveria ser emitido através de uma sirena, fato que não aconteceu.

Publicidade

“Eles fizeram uma reunião com a gente, ensinando a socorrer quando acontecesse um rompimento. Disseram que iam ligar a sirene para todos os moradores saírem correndo e se prevenir. Mas não fizeram isso. Só estou viva aqui graças a Deus”, desabafou a moradora, que saiu da residência, às pressas, acompanhada pela filha.

Publicidade

O alerta sonoro emitido por sirene é algo comum na atividade de mineradoras para fazer alerta sobre a detonação de explosivos dentro da mina. No caso de risco de rompimento de barragem a sirene deveria ser usada para alertas as pessoas.

Publicidade

Se houver risco iminente, o alerta sonoro é uma das providências importantes do plano de ação emergencial, que é previsto pela Lei de Segurança de Barragens. Além disso, o plano inclui treinamento dos empregados da mina e plano para evacuação dos moradores locais.
Maria Aparecida contou com detalhes a aflição e os momentos de pânico que viveu em uma entrevista. A moradora de Brumadinho ressaltou que teve a sensação de viver um verdadeiro inferno na terra.

Publicidade
Publicidade
Publicidade