in

Morte de ginasta é considerada suspeita e detalhes vem à tona

Foto / Folha / Uol / Divulgação CBG

A ginasta Jackelyne da Silva, que morreu na última quarta (16) que sofreu uma queda em casa antes de morrer, passou por atendimento médico em duas oportunidades dias antes de falecer. 

Publicidade

O pai da jovem, Marco da Silva, de 43 anos, registrou um boletim de ocorrência na delegacia como “morte suspeita”. O documento relata que a jovem sofreu uma queda em casa e sentiu bastante dores no peito no último sábado (12). Jackelyne morreu após uma parada cardiorrespiratória. 

De acordo com o pai da vítima, nos dias 13, 14 e 15 de janeiro, sua filha retornou ao médico para um novo atendimento, pois suas dores não passavam. Ela foi atendida, medicada e chegou a fazer uma tomografia na região lombar, quando foi constatado uma lesão, mas não foi preciso uma internação. No mesmo dia, Jackelyne continuou com fortes dores no peito e gases abdominais, porém, foi medicada em casa. 

Publicidade

No dia 16 de janeiro a ginasta voltou a ter fortes dores no peito e foi socorrida por uma unidade da UPA 26 de agosto, em Itaquera, quando teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. Após o ocorrido, o pai da jovem preferiu não se pronunciar durante aquele momento de dor para a família. 

Publicidade

A ginasta era atleta do Esporte Clube Pinheiros e foi enterrada na manhã da última sexta-feira (18), no cemitério Vila Formosa. Uma van com colegas da ginasta saiu do clube em direção ao local para as últimas despedidas.

Publicidade

O laudo oficial sobre a causa da morte de Jackelyne ainda não ficou pronto. O prazo que foi estabelecido pelas autoridades responsáveis é de até 30 dias. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Raphael Costa

Aqui você encontrará as melhores notícias.