in

Se eleição fosse apenas entre os presos, Haddad teria vencido Bolsonaro com sobras

Fotomontagem: SSP-SP / Facebook PT/Diogo Marcondes

O jornal O Globo realizou um levantamento que mostrou o petista Fernando Haddad venceria com ampla margem de vantagem o candidato Jair Bolsonaro (PSL), se as eleições fossem realizadas apenas nos presídios. O levantamento divulgado pelo O Globo revela que Haddad venceria com 82,47%, contra 17,53% de Bolsonaro.

Publicidade

Os votos em questão são dos presos provisórios, que tem o direito de votar nas eleições. Presos condenados em segunda instância, como ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não podem votar. Além disso, a votação depende da quantidade presidiários que estariam aptos a votar para que a Justiça Eleitoral montasse a estrutura com as urnas para receber os votos.

A ampla vantagem de Haddad entre os presos virou piadas nas redes sociais já que o maior líder do PT é justamente o ex-presidente Lula, que foi impedido de concorrer à presidência da República pela Lei da Ficha Limpa.

Publicidade

Bolsonaro sempre teve um discurso firme contra os bandidos, sendo favorável, por exemplo, à castração química no caso de estupro. O presidente também já deu declarações fortes que contrariam os Direitos Humanos no caso do presídio de Pedrinhas, no Maranhão.

Publicidade

Considerando todo o colégio eleitoral brasileiro, com mais de 140 milhões de eleitores, Bolsonaro foi eleito presidente da República, no dia 28 de outubro, com pouco mais de 55% dos votos válidos, o que representou quase 58 milhões de votos. Fernando Haddad alcançou 47 milhões. A diferença de 10 milhões de votos entre os dois foi considerada grande, mas nada perto da diferença entre os eleitores presos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!