in

Polícia Federal abre inquérito para apurar fake news contra os presidenciáveis

Poder360/Sérgio Lima

Domingo (28) ocorrerá o segundo turno das eleições, para eleger o presidente da república e o governadores de alguns Estados. A PF (Polícia Federal) abriu neste sábado (20) um inquérito para investigar os Fake News, via WhatsApp que ocorram nas redes sociais, contra os candidatos à presidência, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT)..

Publicidade

Ao lado de Rosa Weber, a presidente da Corte e diversas outras autoridades, em entrevista coletiva realizada pelo Tribunal Superior Eleitoral neste domingo (21), Raul Jungmann, ministro da Segurança Pública, disse que a investigação instaurada pela PF para identificar o envio em massa de mensagens ofensivas pelo aplicativo, vai continuar em sigilo e que “o inquérito está aberto, mas por determinação do presidente está decretado o sigilo dos autos”. 

Inicialmente a Policia Federal abriu a investigação para o PGR (Procuradoria Geral da República) após publicação do Jornal Folha de S. Paulo, alegando que, empresários apoiadores de Jair Bolsonaro, teriam financiado os envios de mensagens via WhatsApp, contra o PT.

Publicidade

Porém, a campanha de Bolsonaro negou qualquer envolvimento. Jair ainda disse não ter controle sobre as empresas que tentaram controlar sua campanha.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Em contra partida, Fernando Haddad na manhã da segunda-feira (22), cobrou mais agilidade do TSE, para julgar as irregularidades envolvendo a candidatura de Jair Bolsonaro, seu adversário. “Se todo mundo sabe que teve fraude no primeiro turno com dinheiro sujo, o que está se esperando? ”, diz Haddad.

Publicidade

Em entrevista à imprensa, Rosa Weber afirmou que “A desinformação deliberada ou involuntária que visa ao descrédito há de ser combatida com informação responsável e objetiva, tudo com a transparência que exige um Estado Democrático de Direito” e que a Justiça Eleitoral não enfrenta “boatos com boatos”, finaliza.

Publicidade