in

Mãe entra em coma no parto, 23 dias após, bebê é colocado em seus braços e o milagre acontece

Revista Crescer

O contato físico entre a mãe e o seu filho é extremamente importante para fortalecer o vínculo entre ambos. Esse fato já está mais do comprovado pela ciência, porém um caso que aconteceu recentemente deixou a equipe médica de um hospital em Fortaleza emocionados. 

Publicidade

Amanda Cristina Alves da Silva, de 28 anos, deixou todos surpresos ao sair do coma induzido depois de sentir o toque da pele do seu bebê recém-nascido pela primeira vez. A mãe não tinha nenhum estimulo sensorial e auditivo ou apresentava movimente desde o dia do parto. No entanto, ao ser colocada junto ao filho apresentou uma reação na mesma hora e começou a chorar.

Após uma semana, contrariando as todas as expectativas, conseguiu receber alta da UTI – Unidade de Terapia Intensiva. Amanda foi levada para a Maternidade-Escola Assis Chateuabriand (Meac-UFC), após entrar em crise convulsiva, problema que enfrenta desde criança.

Publicidade

Ela estava com 37 semanas de gestação e por esse motivo os médicos decidiram deixa-la sedada e realizar uma cesariana de emergência. Dessa forma estavam tentando garantir a segurança de mãe e filho. O pequeno Vitor Hugo precisou ficar na UTI por seis dias, enquanto isso a mãe seguia internada na UTI obstétrica.

Publicidade

A enfermeira Fabíola Nunes, que acompanhou o atendimento contou que depois de uma semana a sedação começou a ser suspensa, mas Amanda não respondia como a equipe esperava, apesar de ter uma boa evolução neurológica atestada pelos exames, a mulher somente conseguia movimentar os olhos. Foi quando a equipe resolveu levar o filho até ela.

Publicidade

Eles ficaram impressionados, pois na mesma hora que o filho foi colocado em seus braços, os batimentos cardíacos ficaram acelerados e ela chorou. “Colocamos Vitor Hugo em seu tórax e como ela não conseguia mexer os braços, nós levamos os braços dela até o bebê, para que a abraçasse. Foi quando vimos sair gotas de leite dos seus seios”, contou a enfermeira.

Amanda contou que a primeira coisa que consegue lembrar desde a crise de convulsão é de ter o filho nos braços. Desde então a evolução da mulher foi impressionante e 20 dias depois foi para casa sem nenhuma sequela e com seu filho nos braços.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.