in

General do Exército rebate ataques de Ciro Gomes: ‘sarnento vira-lata’

Candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes foi sabatinado por repórteres dos jornais O Globo, Valor Econômico e revista Época, na quarta-feira (12). Durante a entrevista, o presidenciável fez duras críticas ao general Hamilton Mourão, vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), e general Eduardo Villas Boas, comandante do Exército.

Publicidade

Sob ordem da Constituição, eu mando e eles obedecem. Quero as Forças Armadas modernas, poderosas, mas militar não fala em política no meu governo”, afirmou Ciro Gomes, criticando a intromissão dos militares na ativa da política nacional.

Em relação a Villas Boas, Ciro garantiu que “estaria demitido e provavelmente pegaria uma ‘cana’” por ter questionado a legitimidade do futuro governo se ele fosse o presidente da República.

Publicidade

Mas deixa eu explicar, ele está fazendo isso para tentar calar a voz das ‘cadelas no cio’ que embaixo dele estão se animando com essa barulheira. Esse lado fascista da sociedade brasileira”, explicou Ciro.

Publicidade

Em seguida, o presidenciável também criticou o general Mourão, vice de Bolsonaro. “Esse general Mourão, que é um jumento de carga, tem uma entrada no Exército e agora se considera tutor da nação. Os brasileiros têm que deixar muito claro que quem manda no país é o povo”, afirmou.

Publicidade

 

No Twitter, o candidato foi criticado pelo general Paulo Chagas, que afirmou que as Forças Armadas são disciplinadas, mas não estão mortas. Em seguida, sem citar o nome de Ciro, mandou uma mensagem ao pedetista.

Cautela, ‘cãodidato’, porque o silêncio do lobo e o coice do ‘jumento de carga’ são, seguramente, mais perigosos que o latido de um cão, particularmente, quando este é um sarnento vira-latas”, postou o general.

Publicidade