in

Suspeitos de matar jovem grávida ofereciam pacto com ‘Lúcifer’ em troca de poder e prazer na web

Uma história macabra que parece ter saído de um conto de terror chamou a atenção da cidade de Itanhaém, localizada na região litorânea de São Paulo.

Publicidade

Tudo começou com um suposto afogamento, parecia que infelizmente mais uma jovem havia perdido a vida para as águas do mar, mas na verdade a jovem grávida, de 20 anos, identificada como Atyla Arruda Barbosa, teria sido assassinada.

O que se sabe até agora sobre o crime

Atyla morreu em julho na praia de Mongaguá, cidade vizinha a Itanhaém e de acordo com o portal de notícias online, G1, a princípio a polícia trabalhava com a hipótese de morte por afogamento. Contudo, os investigadores da Polícia Civil começaram a desconfiar da história do casal que se apresentou como padrinhos da jovem.

Publicidade

Representantes de uma empresa de seguros os procurou informando que a jovem tinha um seguro de vida, no valor de 260 mil reais, e que seus beneficiados eram Sergio Ricardo Re da Mota, de 47 anos, e sua esposa Simone Melo Koszegi, de 41 anos.

Publicidade

A partir desta informação, as investigações tomaram um novo rumo, e a polícia chegou à conclusão de que a jovem tinha sido assassinada pelos supostos padrinhos que na verdade eram seus patrões, assim que o período de carência do seguro havia terminado. 

Publicidade

A jovem morava com o casal, ela foi atraída por eles com uma oferta de emprego, segundo a polícia ela foi mantida em cárcere privado, a mãe de Atyla, acredita que a filha foi abusada sexualmente pelos patrões e que estava grávida de Sergio. 

Os investigadores descobriram que haviam várias contas correntes e empresas abertas em nome da jovem. A polícia aguarda o laudo do IML (Instituto Médico Legal) que irá revelar a verdadeira causa da morte de Atyla. O casal foi preso na tarde desta sexta-feira (17), depois de ter a prisão preventiva decretada. Um crime covarde por ambição? Tudo indicava que sim, mas detalhes macabros iriam vir à tona e chocou até mesmo os detetives mais experientes.

Servos do diabo

As investigações mostraram que Sergio e Simone são adeptos do satanismo, participavam de rituais de magia negra e 'vendiam' seus serviços através de vários perfis nas redes sociais. Nas postagens feitas pelo casal eles ofereciam a realização de um pacto com 'Lúcifer', em troca a pessoa alcançaria o poder e o prazer que sempre desejou. 

Segundo o delegado Ruy de Matos Pereira, responsável pelas investigações Atyla passou a fazer parte da seita, ele também revelou que acredita na hipótese de existirem mais vítimas, já que na residência do casal foram encontradas apólices de seguros em nome de outras pessoas.

Na residência de Sergio e Simone existem vários altares com imagens de anjos caídos, preparados especificamente para a adoração de Lúcifer, acredita-se que a gestante foi assassinada em um ritual de magia negra. A polícia ainda apura se houve participação de outras pessoas no crime.

Ainda segundo Ruy Matos, a vítima chegou a dizer para sua mãe que tinha vontade de desistir de tudo de voltar para casa mas que se tomasse tal decisão teria que pagar com a própria vida. A mãe de Atyla não foi informada sobre a morte da própria filha, segundo testemunhas no sepultamento da jovem compareceram apenas 3 pessoas além do casal. A polícia continua com as investigações sobre o crime e sobre os mistérios diabólicos nos quais o casal está envolvido.

Publicidade
Publicidade
Publicidade