in

Juíza percebe movimentação estranha de Lula e toma decisão

O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, foi preso após ser condenado a 12 anos de prisão. Com isso, ele agora está em um presídio, porém muitos reclamam dos favorecimentos que Lula tem dentro da cadeia, por este motivo que é feita uma pressão muito grande em quem cuida da prisão do petista.

Publicidade

Quem está cuidando da prisão do petista Lula é a a juíza Carolina Lebbos, que determina o que o ex-presidente pode ou não ter de dentro da prisão. Durante a Copa, o petista foi comentarista em uma rádio nos jogos da Copa do Mundo, o que acabou revoltando parte da população que é contra o petista.

A juíza vive recebendo pedidos pela defesa de Lula para que a situação do ex-presidente melhore lá dentro, mas também há o desejo do petista se tornar candidato à presidência da República, até porque ele vem liderando pesquisas até o dia de hoje.

Publicidade

Está chegando perto das eleições de 2018, com isso os pré-candidatos já estão próximos de assumir suas candidaturas e começarem as suas campanhas, para que em outubro eles já possam estar com uma boa popularidade para conseguirem ganhar as eleições.

Publicidade

Gosta de música? Ouça clássicos das décadas de 70, 80 e 90 agora mesmo | CLIQUE AQUI

Publicidade

Lula quer ser o candidato à presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT). A juíza Carolina Lebbos percebeu que a imprensa queria entrevistar e fotografar Lula, assim como fará com os outros candidatos, e a magistrada resolveu tomar uma decisão.

Publicidade

A juíza já afirmou que entende que o petista tem 'status inelegível' por ter sido condenado e a Lei da Ficha Limpa não permitir que ele se candidate a quaisquer cargos públicos, com isso a mesma decidiu que Lula não poderá gravar vídeos ou participar de entrevistas, negando todos os pedidos da defesa de Lula. 

"Obviamente autorização de tal natureza alteraria a rotina do local de cumprimento da pena, exigindo a alocação de agentes e recursos para preservação da segurança e fiscalização da regularidade da execução", afirmou a juíza que não enxerga seu entendimento como obstáculo à liberdade de imprensa.

 

Publicidade