in

Vasco: como foi o trabalho de Giovanni Augusto durante a Copa

A intertemporada do Vasco caiu muito bem para um jogador especial. Contratado como esperança de qualidade ofensiva, Giovanni Augusto ainda não conseguiu emplacar no Cruz-Maltino devido a uma série de lesões. Agora, recuperado e com tempo para se preparar, ele acredita que poderá render o que se espera dele.

Publicidade

Além da parte física, outra mudança que anima Giovanni é seu posicionamento em campo. Desde que assumiu o comando, o técnico Jorginho conversou com o jogador e ouviu dele a preferência em atuar como meia centralizado, armando as jogadas – com Zé Ricardo, muitas vezes ele atuava pela esquerda.

– Jorginho conversou comigo, passei para ele algumas situações. Agora estou me sentindo melhor. Voltei a jogar naquela posição em que me destaquei, que é de meia armador. Ali pelo meio consigo render mais. Agora é dar sequência para que a gente possa fazer um grande ano – disse o jogador.

Publicidade

Recuperado fisicamente e na posição que mais gosta, o último passo de Giovanni é adquirir entrosamento com os companheiros. Um deles já vem se destacando pela parceria: Yago Pikachu, seu conterrâneo de Belém, no Pará.

Publicidade

– Ele é muito inteligente, tem facilidade grande de fazer o facão, consegue entrar entre os zagueiros e o lateral, facilita na enfiada de bola. A gente já se conhecia de Belém. Ele é um fenômeno. Essa pausa está servindo muito para buscar esse entrosamento. Precisamos treinar para conhecer um ao outro, porque no jogo faz total diferença.

Publicidade

Sacrifício contra o Fluminense

Neste ano, Giovanni sofreu três lesões: em sua estreia, ainda no Campeonato Carioca, teve um problema no joelho e parou por seis semanas. Depois, foram duas contusões, ambas na coxa direita.

– Essa intertemporada é muito importante. Fico feliz de ter este tempo. Todo mundo sabe que jogador precisa de ritmo, estar bem fisicamente para aguentar a temporada. Agora, sim, estou conseguindo treinar a parte de força. Fiquei muito tempo sem jogar, isso acaba dificultando bastante, mas acredito que com esse tempo já estou me sentindo melhor fisicamente, com mais força.

Segundo Giovanni, um sacrifício no seu retorno ao time, após a lesão no joelho, fez a diferença. Contra o Fluminense, pelo Carioca, ele atuou com febre e se desgastou além do esperado. Dois dias depois, diante do Botafogo, sofreu o primeiro problema na coxa.

– Poucas pessoas sabem, mas antes do jogo passei muito mal. Tinha até chance de não jogar, passei a noite com muita febre, dor no corpo, fui no estádio na certeza de que não conseguiria jogar. Chegando lá, o doutor me deu remédio, fizemos um trabalho ali. Tive melhora, resolvi jogar. Com isso me desgastei muito e logo em seguida, depois de dois dias, tinha o jogo com o Botafogo. Fui para o jogo com risco de lesão por ter ogado com febre. Senti a posterior e fiquei mais um tempo parado.

Fonte: Globo Esporte

Publicidade
Publicidade