in

Paulinho despreza seu pai que vive na miséria: ‘Quem me criou foi meu padrasto’

O jogador Paulinho teve seu momento de destaque na Copa do Mundo quando ele conseguiu encobrir o goleiro Stojkovic e marcar um gol para a Seleção Brasileira, dessa maneira ele foi fundamental para a permanência do Brasil para a próxima fase da competição.

Publicidade

Quem acompanhou esse momento decisivo foi seu pai, o feirante José Paulo, que mora no interior de Pernambuco, vivendo na miséria em uma casa bastante simples. Em uma televisão pequena e cheia de chuvisco, ele tentou ver sem muito sucesso o gol que seu filho tinha acabado de fazer na Copa.

“Eu estava deitado com os dois gatos em minha cama velha quando meu filho fez o gol. Aí eu acordei. Olhe o tamanho dessa televisão. Ela liga às vezes. Não tenho outra. Quando escutei o barulho me levantei”, disse o pai do jogador que chorou muito ao dar a entrevista falando também que só teve contato com o filho uma vez, quando ele jogou perto de sua cidade.

Publicidade

José Paulo é filho de nordestino, migrante e pobre. Ele foi uma pessoa distante durante toda a vida de Paulinho. O feirante passou toda a sua vida, após o nascimento do filho limpando o chão de uma fábrica de sandálias na capital paulista, depois voltou para Pernambuco em 1996, mas perdeu o contato com ele, que foi criado pelo padrasto, o qual considera muito.

Publicidade

O jogador, que se parece muito com seu pai, falou sobre suas origens em uma entrevista. “Minha avó era descendente de indígenas, tenho traços indígenas, meu pai também. Ele é de Pernambuco, só que tive contato com ele até os oito anos. Quem me criou foi meu padrasto, Marcos, a quem chamo de pai”, desabafou Paulinho que teve um desempenho esquecível na Copa do Mundo da Rússia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade